Crítica

1917 | Sam Mendes cria épico de guerra tecnicamente impecável (Crítica)

Já conhecido por filmar de uma maneira que sugere que tudo ocorra de uma só vez, o diretor Sam Mendes e a câmera do diretor de fotografia Roger Deakins grudam nas costas de seus soldados como os piolhos em seus cabelos e os ratos de trincheira roendo suas camas neste novo épico de guerra produzido de forma impecável pela Universal Pictures. 1917 nos revela lofo de cara um tiro magistral no qual um soldado sai correndo de um prédio e entra em uma vila francesa em chamas. Seguindo Schofield (George MacKay) através de uma janela, a câmera desce sobre com ele ao vermos o personagem entrando na aparente boca do inferno. É absolutamente horripilante, mas inescapavelmente bonito ao vermos um fim do mundo de forma instantânea.

Como indicado por seu título, 1917 é um microcosmo impressionante para a guerra que inaugurou nossa era moderna com sangue e sacrifício, além de uma homenagem aos homens que derramaram sangue e mataram milhões de  vítimas. É também uma conquista magnífica para Mendes e Deakins. Mais do que apenas uma maravilha técnica e outra obra-prima de um ano repleto de várias, 1917 é um trabalho assustadoramente sugestivo que provavelmente mudará a forma como as histórias de guerra são filmadas e como processamos suas lições um século depois.

Cena do filme ‘1917’ / Universal Pictures

A configuração é simples, este é o conto de dois Tommies Britânicos (soldados ingleses comuns) durante um dia horrível no terceiro ano da Grande Guerra. Blake (Dean-Charles Chapman) e Schofield são convocados para o abrigo de um general para serem informados de notícias urgentes. A milhas de distância da linha de frente, toda uma divisão britânica está prestes a entrar numa armadilha no outro dia de manhã. Se Blake e Schofield não enviarem uma mensagem para interromper o ataque, todos os 1.600 homens nessa outra divisão morrerão, incluindo o irmão mais velho de Blake. Para chegar a tempo, os dois soldados precisarão atravessar a Terra de Ninguém em plena luz do dia e o que, segundo eles, não é convincente, mas é seguro porque os alemães supostamente se retiraram. A partir daí temos uma odisseia de pesadelos da Frente Ocidental.

Ao estreitar seu escopo à vantagem limitada de dois grunhidos no chão, Mendes e seu co-roteirista Krysty Wilson-Cairns dão a liberdade de convencer seus protagonistas através de uma série de vinhetas que equivalem a uma pincelada na tela maciça da Primeira Guerra Mundial. Testemunhamos nessa compressão Blake e Schofield deslizando através de arame farpado na Terra de Ninguém, rezando para que ninguém esteja assistindo do outro lado, e enquanto atravessam as colinas verdes onde biplanos voam a distância e provocam uma luta em pânico até a morte nos céus. De fato, a morte está sempre caminhando ao lado deles, com a câmera de Deakins bem imersa nas paisagens fantasmagóricas do designer de produção Dennis Gassner.

Há momentos de cristalização como quando Schofield desce uma colina lamacenta e acaba enfiando a mão em um cadáver apodrecido no qual os ratos estão se alimentando. Mas o momento mais inquietante é como esses homens estão em paz com a aniquilação circundante. Tiros de rastreamento longos deslizam sobre poças de lama criadas por projéteis de artilharia nas quais os corvos se banqueteiam, e nossos heróis não prestam atenção enquanto trabalham silenciosamente em volta do lago improvisado. Sim, tudo isso é filmado para parecer um tiro, mas o que é surpreendente no enquadramento de Deakins e Mendes é a maneira no qual temos muitas vezes uma visão pictórica sobre percorrer o vale da sombra da morte.

Cena do filme ‘1917’ / Universal Pictures

Desde O Resgate do Soldado Ryan, de Steven Spielberg, há mais de 20 anos, os filmes modernos de guerra adotaram uma certa estética que se baseia em trabalhos de câmera portáteis e sangrentos. Enquanto Mendes está quase sempre observando astutamente o ambiente ao redor da tumba de seus protagonistas, seus tiros de rastreamento geralmente são fluidos e pacientes, contando com a queima lenta da guerra prevista, em oposição ao caos instável da mesma. É claro que 1917 também será comparado ao épico Dunkirk, da Segunda Guerra Mundial, de Christopher Nolan, mas o que Mendes e Deakins buscam é mais composto e consequentemente mais emocional.

De fato, tanto Schofield quanto Blake são efetivamente ensaiados, mesmo com um diálogo mínimo. Blake é o mais impetuoso dos dois, sempre encontrando tempo para fazer piadas nos momentos em que sabe que Jerries não está diretamente na frente deles e Schofield é o cínico, já dando uma medalha de guerra que ganhou por uma garrafa de vinho. Mas o vínculo tácito deles, bem como o terror assustador na determinação de Blake de salvar seu irmão, é o que une todo o filme.

O longa também apresenta participações especiais impressionantes de vários atores britânicos notáveis, incluindo Colin Firth, Benedict Cumberbatch, Richard Madden, Mark Strong e Andrew Scott, que oferecem um trabalho limitado, mas eficaz, em suas breves cenas. No entanto, trata-se de um filme que fala pouco sobre os oficiais do que sobre os homens nas trincheiras, aos quais é pedido repetidas vezes. É quase como se 1917 estivesse buscando tanto a origem de sua coragem quanto a divisão condenada da prisão do irmão de Blake.

Cena do filme ‘1917’ / Universal Pictures

O filme ganha mais enfase com o belo trabalho do azarão Thomas Newman, que recebeu mais uma indicação ao Oscar (12ª indicação) e nunca sequer ganhou uma estatueta. Newman consegue transmitir uma sonoridade impactante em momentos incríveis do longa, que ganham um apoio fenomenal com a belíssima edição de som de Oliver Tarney, que consegue casar de forma exuberante a trilha sonora de Newman e encaixar a mixagem de som de Mark Taylor e Stuart Wilson com sons de bombas, aviões e tiros sem parecer falso.

Mendes e Deakins aparentemente levaram o conceito de “plano-sequência” ao extremo mais distante, com suas câmeras seguindo jovens em rios cheios de corpos e em cidades transformadas em infernos. Mas eles também identificaram uma dignidade cansada diante do abate diário. Mendes está habilmente ciente dessa graça, que ele tenta incutir em sua audiência através da ilusão ininterrupta (seu próprio avô era um mensageiro durante a Primeira Guerra Mundial). Ele também está determinado em observar como é surreal considerar que esse era o nosso mundo há apenas dez décadas. Como é reconfortante pensar que fomos poupados de suas provações, mas como é triste saber que perdemos a clareza da Geração Perdida.


Trailer:

1917

10

Nota para o filme:

10.0/10

Prós

  • História
  • Fotografia
  • Direção
  • Trilha Sonora, Mixagem e Edição Som
  • Designer de Produção

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: