Crítica

A ÚLTIMA COISA QUE ELE QUERIA | Novo filme da Netflix será a última coisa que você irá querer assistir na plataforma (Crítica)

A jornalista ensaísta e escritora Joan Didion é célebre por seu trabalho em expor a corrupção e a manipulação em um alto nível político, e obteve sucesso com alguns de seus roteiros colaborativos em associação com seu marido roteirista, tendo suas experiências (principalmente em El Salvador) transformadas em livros, filmes e entre essas obras tivemos o romance chamado “A Última Coisa Que Ele Queria”. Uma mistura inebriante de política, tiroteio e romance, num cenário sul-americano. Nas mãos certas, provavelmente havia material aqui para representar não apenas um thriller de mistério decente com infusão política, mas talvez até uma série de TV sólida.

Quando o pai da jornalista veterana Ellie McMahon fica doente e precisa de ajuda, cuidar dele prova ser uma tarefa particularmente desafiadora. Pois Ellie terá que se envolver no misterioso e perigoso trabalho que ele faz na esperança de ajudá-lo a receber um último grande pagamento. Com isso, ela é obrigada a ir para a América Central, onde se vê envolvida em uma investigação sobre assassinatos e tráfico de armas com pessoas extremamente perigosas.

Anne Hathaway em cena do filme “A Última Coisa Que Ele Queria” / Netflix

“A Última Coisa Que Ele Queria” tem boas intenções e o material de origem é sólido, mas cede ao peso da temida maldição da Netflix. Embora não tenha sido produzido por eles, foi comprado para distribuição, um ato que provavelmente contornou qualquer decisão de ouvir o público-alvo e pelo menos considerar fazer um bom recorte do filme. Em vez disso, esse era claramente um cenário de “cortar nosso outro mal investimento” fornecendo para Netflix mais um fracasso cheio de estrelas para adicionar à sua enorme lista.

A diretora Dee Rees tem boas credenciais, pois ela dirigiu um filme eficaz da Netflix, Mudbound: Lágrimas Sobre o Mississipi, e a esperança por trazer outra longa interessante tinha uma expectativa alta. Mas em vez disso, parece que a diretora deu um passo para trás e o desafio de enfrentar essa bomba não foi o suficiente para ela lidar com qualquer tipo de história central real, fazendo Rees optar por adaptar o trabalho original de forma inadequada em um longa totalmente desconexo com um enredo desinteressante. Claro que a edição mais criteriosa poderia ter removido a bagagem estranha e abundante deste filme que poderia aproximá-lo de um produto assistível, mas até nisso o longa peca.

O filme se desenrola como um prólogo dolorosamente extenso que luta para começar, envolvendo personagens obscuros, porém sem graça, e uma protagonista cujas motivações e ações – pelo menos no momento – são esquivadas na melhor das hipóteses. No entanto, é desajeitado, inacabado e apenas faz você se perguntar até que ponto algumas estrelas irão se importar em se envolver em alguns projetos pela grana em vez de uma boa história e também como os engravatados estão desperdiçando grana com projetos iguais a este longa e como uma produção dessa acabou tendo sinal verde?

Anne Hathaway e Ben Affleck em cena do filme “A Última Coisa Que Ele Queria” / Netflix

Anne Hathaway (que vem colecionando filmes ruins ultimamente) realmente não convence como jornalista corajosa que geralmente está atrás das linhas inimigas e é forçada a fugir com uma frequência inexplicável ou a seguir seu caminho através de um diálogo muito denso. Apoiando-a, temos Ben Affleck em uma interpretação muito ruim e sua ausência durante o segundo ato do filme é mal aconselhada, deixando sua última aparição no filme bem artificial ao selar o destino final do longa mais confuso do que o tempo que você irá perder em 1 hora e 55 minutos, o tempo total do filme. Willem Dafoe também não convence como o pai falho, e parece não conhecer o roteiro além das linhas que está lendo, claramente esperando ter desaparecido no primeiro ato (o que faria sentido), e choramingando através de um pedaço inexplicavelmente estendido de informações inúteis.  

Idealmente, o público-teste teria assistido ao filme e coçado a cabeça o suficiente para avisar a produtora de que algo estava errado, e o resultado teria sido pelo menos mais aceitável, se não refilmado. Mas, em vez disso, a Netflix pegou o produto inacabado e o entregou aqui como pouco mais que uma lição a ser aprendida sobre o que não fazer com uma história sólida, transformando “A Última Coisa Que Ele Queria” em a última coisa que iremos querer assistir na plataforma de streaming, quando chegou os créditos finais foi um grande alívio.


A ÚLTIMA COISA QUE ELE QUERIA encontra-se disponível para assistir no serviço de streaming Netflix

3

Nota para o filme:

3.0/10

Prós

  • Elenco cheio de estrelas

Contras

  • História Confusa
  • Enredo desinteressante
  • Atuações forçadas
  • Elenco estelar desperdiçado
  • Péssima edição

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: