Crítica

BATMAN: SILÊNCIO | Animação erra e acerta em alguns pontos da HQ (Crítica)

Se você fosse procurar uma lista de dez quadrinhos do Batman que são de importância significativa, há uma boa chance de que a maioria das listas vão colocar a obra feita em 2002 de Jeph Loeb. Usando a premissa, Batman: Hush (Silêncio) é a nova adaptação do DCAU (Universo Animado da DC) e aqui temos no que poderia ser uma boa adaptação e homenagem para alguns fãs que adoram está obra, acabou no final sendo algo bagunçado e quase desastroso.

Sendo feita como um filme em vez de ser dividido em dois como em Batman: O Retorno do Cavaleiro das Trevas foi há alguns anos atrás, Batman: Hush não é uma adaptação completamente fiel do material original e há algumas mudanças criativas aqui que não funcionam. Eu vou entrar no maior problema primeiro, porque mais tarde, eu vou mostrar coisas das quais eu realmente gostei da animação.

O maior problema com este filme é o título, Hush. Nos quadrinhos, ele é um velho amigo de Bruce Wayne – um cirurgião chamado Thomas Elliot (Maury Sterling), que também secretamente se ressente e orquestra uma série de eventos que testam a resolução geral do Batman (Jason O’Mara) antes da grande revelação em um dia chuvoso. Dramaticamente é um ótimo momento nos quadrinhos. Infelizmente o que nos é dado em vez disso é o resultado de uma reviravolta por uma coisa que não vale a pena.

Em vez de ser um mentor do crime, Thomas Elliot é literalmente apenas o velho amigo de Bruce, que é morto por Hush, resultando que no final ele está realmente morto. O próprio antagonista deste filme é na verdade substituído pelo Charada (Geoffrey Arend). Um personagem que tinha um papel antagonista secundário interessante na história em quadrinhos em si, mas trabalha na verdade sendo o Hush aqui.

Eu não tenho ideia do que passou na cabeça do roteirista Ernie Altbacker para tirar Thomas Elliot do posto de vilão, esta é de longe uma das decisões mais idiotas feitas para este filme de animação. Na verdade, se você é um grande fã do Charada, você vai acabar deixando este filme te fazer ficar um pouco chateado com o tratamento geral do personagem. Que maneira verdadeiramente terrível de distorcer a história em quadrinhos para uma reviravolta que não funciona em nenhum nível.

O resto dos quadrinhos também faz um pouco de substituição, assim como perdemos a Caçadora em favor da Batgirl (Peyton R. List), que não acrescenta em nada ao processo junto com um Bane (Adam Gifford) irritantemente idiota e drogado em vez de Killer Croc, enquanto uma breve aparição de Damien Wayne (Stuart Allan), reforçou porque o irritante filho do Batman vem perdendo espaço na mídia em geral.

Existem alguns pontos brilhantes, em especial o Asa Noturna (Sean Maher). Ele não tem muita coisa para fazer, mas cada cena em que ele aparece é bastante agradável, pois ele encoraja o relacionamento de Batman com a Mulher-Gato (Jennifer Morrison) e há uma boa dupla com Asa Noturna e Mulher-Gato durante uma cena no cemitério onde eles enfrentam o Espantalho. Mas, novamente, há certos momentos da história em que estão nos quadrinhos e que não fazem parte do filme.

Quanto ao Batman e Mulher-Gato, podemos dizer que casal fantástico e que linda dinâmica, chega a ser doloroso incluir a dura ruptura entre eles, mesmo que seja o componente mais forte e a coisa mais bem sucedida traduzida no filme, vemos como eles encaram de forma diferente suas batalhas contra o Bane, Hera Venenosa (Lista Peyton), Harley Quinn (Hynden Walsh), Coringa (Jason Spisak) e até mesmo o Superman (Jerry O’Connell) que ficou por pouco tempo sob influência de Hera, mas pelo menos ele conseguiu salvar Lois Lane (Rebecca Romijn) e voltar ao seu espirito natural de grande escoteiro azul.

É claro que seriam os resultados diferentes deles em lidar com o Charada / Hush que os fez se dividir, mas pelo menos o filme tirou o máximo proveito do relacionamento deles, fora ainda que recebemos algumas aparições de Lady Shiva, Lex Luthor, Mr. Freeze, Pinguim e Duas-Caras. Outro fato interessante é que a DC está lentamente abraçando a bissexualidade da Hera Venenosa, parece que conseguimos aquele breve beijo entre ela e a Mulher-Gato. Outros pontos legais são que Harley ganhou três hienas, o gato da Mulher-Gato foi chamado de Eartha (amei isso) e nós também pudemos ver Titus.

A animação poderia ter sido um pouco mais cativante, dado o material de origem, embora eu possa entender o corte de certos personagens e subtramas para manter as coisas um pouco mais curtas, mas eu realmente não gostei do que eles fizeram com o personagem-título. Uma das decisões mais idiotas que o DCAU tomou aqui, mas para os fãs do casal Batman e Mulher-Gato, pelo menos a animação não desapontou em nada.


 

Trailer:


Gostou da matéria? Então dá aquela força, comenta e compartilha com seus amigos, curta, siga e fique ligado no Protocolo XP nas redes sociais.

Protocolo XP no Facebook

Protocolo XP no Twitter

Protocolo XP no Instagram

Batman: Silêncio encontra-se disponível para compra nos principais serviços de VOD no Brasil

6

Nota para o filme:

6.0/10

Prós

  • Relacionamento amoroso do Batman e Mulher Gato
  • Asa Noturna
  • Hera Venenosa

Contras

  • Plot twist
  • Mudanças criativas da HQ
  • Vilão

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: