Crítica

BIRDS OF PREY | Arlequina em uma aventura “fantabulosamente” divertida! (Crítica)

Mulher-Maravilha é o ponta pé inicial para filmes de super-heroínas com enorme sucesso de público e crítica. O longa é maravilhoso e está recebendo uma aguardada continuação que acabou abrindo os olhos da Warner e DC Films para explorar o “Worlds of DC” com mais heroínas. Recentemente tivemos o lançamento de Birds of Prey (Aves de Rapina) uma continuação (não oficial!?) de Esquadrão Suicida, que também é tudo o que o filme não foi – é uma equipe feminina suja, engraçada e alegre que nos mostra, de maneira ressonante, que os heróis são de todas as formas, tamanhos e cores.

Esquadrão Suicida foi um acidente de carro cinematográfico, então há algo tão gratificante no fato de que quatro anos depois temos Arlequina de volta as telas se reinventando completamente como uma imperfeita, poderosa e líder em um filme que reverte a antiga traição de sua personagem. A personagem querida não é mais reduzida a “mulher bonita e muita louca” (como ela estava em Esquadrão Suicida), neste novo filme Harleen Quinzel mostra como o filme será direcionado dizendo logo de cara que ela perdeu completamente quem ela era e o senhor C (Coringa) está fora de cena e é hora da Arlequina se encontrar novamente.

Margot Robbie como ‘Arlequina’ em cena do filme Aves de Rapina / Warner Bros. Pictures & DC Entertainment

Aves de Rapina (Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa) ou com seu novo nome para atrair o público, Arlequina em Aves de Rapina, é o filme que Margot Robbie construiu para ser quase só dela, a atriz trabalha como produtora do filme  também e pra quem acha estranho, é bem normal sua personagem ser a dona da tela. Vestida em sua maior parte com um par mais longo de bermuda e uma camiseta com o seu próprio nome, Arlequina está pronta para um novo começo. Infelizmente, seu rompimento com o Palhaço do Crime significa que ela não está mais sob a proteção dele, e muitas pessoas querem matá-la.

É uma história de renascimento para Arlequina e ela começa com estilo, concentrando-se em seu novo interesse amoroso: um sanduíche de bacon e ovo no qual a câmera do diretor de fotografia Matthew Libatique hilariante alcança um momento sexy sem ser vulgar. E para ser justo, o sanduíche parecia ser muito bom mesmo mostrando com um aceno atrevido para o público que este é um filme em que nenhuma de suas personagens femininas será “protegida”. Não há maridos e namorados para essas “Aves”, nem filhos a menos que você conte que a jovem batedora de carteiras Cassandra Cain (Ella Jay Basco), que é a força motriz da trama quando rouba um diamante que o ex-inimigo de Arlequina, o volátil Roman Sionis (Ewan McGregor atuando de forma cativante e divertida) quer colocar as mãos.

Ewan McGregor como ‘Máscara Negra’ em cena do filme Aves de Rapina / Warner Bros. Pictures & DC Entertainment

Aves de Rapina é um filme de quadrinhos estilizado e vibrante e também uma sátira muito bem-sucedida de filmes de quadrinhos e lugares femininos dentro deles. O longa tem o tom perfeito e a diretora Cathy Yan constrói sua Gotham não com ruas violentas, mas com cores vivas, embora esse não seja o mundo dos playboys bilionários. Em vez disso, é um caldeirão cultural povoado por pessoas que tentam ganhar a vida de um lado da lei. Este é apenas o segundo recurso de Yan e o filme é profundamente impressionante que segue uma linha divertida, inspirada pelo roteiro incrivelmente nítido da garota de ouro do filme de quadrinhos, Christina Hodson, que escreveu o bem-recebido Bumblebee e está colaborando nas histórias dos filmes The Flash e Batgirl.

Longe de se sentir apressado, tudo aqui é feito corretamente. O humor é rápido, engraçado, frequente e a ação é eletrizante. As acrobacias de luta feitas pela equipe por trás dos três filmes de John Wick e Deadpool 2 mostra, como cada personagem têm seu próprio estilo de luta distinto e peças eufóricas de sobra. Evitando as excessivas batalhas em CGI e os vilões que arrastaram alguns dos filmes anteriores do DCEU, os  destaque de Aves de Rapina são sujos, espirituosos, corajosos e legais. É um filme violento, com certeza, mas raramente de forma gratuita e, embora haja muitas vítimas humanas, há pelo menos algum tipo de moral distorcida em jogo. Quando Arlequina entra em uma delegacia de polícia para encontrar a jovem Cassandra Cain e ela mata os policiais com glitter e sacos de feijão.

Em termos de filmes de quadrinhos, Aves de Rapina se assemelha mais a Deadpool com um palavrão anárquico e subversivo, o filme pula as linhas do tempo e Arlequina fala diretamente com o público. Embora o longa tenha elementos do qual já vimos antes, temos coisas novas em tela.

Rosie Perez, Mary Elizabeth Winstead, Margot Robbie, Ella Jay Basco e Jurnee Smollett-Bell em cena do filme Aves de Rapina / Warner Bros. Pictures & DC Entertainment

Embora o resto das meninas caia livremente em tropos familiares, a Caçadora de Mary Elizabeth Winstead é solitária e vingativa, Renee Montoya, de Rosie Perez, é a policial alcoólatra honesta, a Canário Negro, de Jurnee Smollett-Bell, é a motorista isolante e relutante dos gangsteres e Ella Jay Basco é a doce, mas consegue ser ter um lado que mistura a cola que acaba dando o floreio de chamada que dão a cada personagem a profundidade e coração reais. Todas as personagens femininas são excelentes, embora a Caçadora possa muito bem ser a favorita dos fãs (pena que é a personagem com menos tempo de tela) como a assassina da besta altamente treinada que é extremamente e socialmente desajeitada por causa de um trauma na infância. A ex-psiquiatra Harleen Quinzel chega a fazer um pouco de psicanálise por toda parte, em outro adorável aceno do filme sobre quem ela é e quem ela era.

A missão inicial da Arlequina é aprender a se manter sozinha, mas a mensagem do filme é que somos melhores se ficarmos juntos. Reunir todo esse grande talento certamente resultou em um filme que é ainda mais do que a soma de suas partes. Se Mulher-Maravilha foi uma realização perfeita do desejo para as meninas que, como Diana, encontram seu caminho no mundo, Aves de Rapina é o filme para adultos de qualquer gênero que se acham mais defeituosos, cansados ​​ou simplesmente deprimidos. Sorte que o filme é divertido e mostra que Arlequina certamente merece uma segunda chance de toda aquela masculinidade tóxica e que sua emancipação é verdadeiramente fantabulosa.


Trailer:

Aves de Rapina (Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa)

8

Nota para o filme:

8.0/10

Prós

  • História divertida
  • Personagens femininas cativantes
  • Margot Robbie é magnífica
  • Ewan McGregor arrasa como vilão
  • Boas cenas de ação

Contras

  • Enredo simples
  • Duração do Filme
  • Algumas decisões finais equivocadas

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: