Connect with us
DOUTOR SONO | O mundo de ‘O Iluminado’ em uma sequência brilhante! (Crítica) - Protocolo XP

Crítica

DOUTOR SONO | O mundo de ‘O Iluminado’ em uma sequência brilhante! (Crítica)

Published

on

E temos um ótimo filme de Stephen King neste ano de 2019, mas infelizmente não foi “It: Capítulo Dois”. Em vez disso é “Doutor Sono”, uma adaptação do romance de King de 2013 que foi anunciada como uma sequência de sua obra-prima, “O Iluminado”. O livro em si é uma história sobre a versão adulta de Danny Torrance, lutando contra demônios tanto pessoais quanto sobrenaturais e na época de seu lançamento o livro foi recebido com críticas mistas. Não está claro se leitores e críticos esperavam um acompanhamento mais direto do romance original.

Mas o diretor e roteirista Mike Flanagan, cujo currículo inclui a adaptação para a Netflix do livro “Jogo Perigoso” de Stephen King, bem como a aclamada série de terror “A Maldição da Residência Hill”, melhorou sem dúvida o livro de King, simplificando a trama e alterando alguns pontos da história. Ele também criou um roteiro deliberado que leva você a se importar muito com o que acontece com as pessoas da história. Mas, talvez o mais surpreendente de tudo, ele criou um filme misterioso que serve como uma sequência da versão icônica do clássico filme de 1980, “O Iluminado” de Stanley Kubrick. Flanagan também aproveita para tocar em nossas memórias e oferece algo único e respeitoso para cada um que teve diferentes sensações com está obra-prima do cinema.

Obviamente que o filme de Kubrick está tão presente na cultura pop que seriam necessárias grandes sacadas para recriarem literalmente suas imagens e reformular seus atores, o que acabou sendo o que Flanagan fez aqui. Embora algumas de suas jogadas mais arriscadas não funcionem bem – vamos admitir, mesmo o ator mais talentoso do mundo não pode apagar de nossas mentes as caretas perturbadoras de Jack Nicholson – o resto acontece principalmente porque as coisas vão indo de forma orgânica para a história e não uma tentativa maluca de apertar nossos botões de nostalgia. A combinação dos cenários e da música (usada com permissão da família de Kubrick já que todo o material do filme é de propriedade do lendário diretor) proporciona uma emoção de pavor, enquanto nos aventuramos pelos corredores assombrados do Hotel Overlook mais uma vez.

(Comparação da clássica cena na porta entre Jack Torrance [Jack Nicholson] e Danny Torrance [Ewan McGregor] [pai e filho] no Hotel Overlook. “O Iluminado” e “Doutor Sono”/ Warner Bros. Pictures)

Ainda falta um tempo para chegarmos lá, e os dois primeiros atos de “Doutor Sono” levam a história adiante com a mesma paciência e deliberação que Flanagan exibiu nos melhores segmentos de “A Maldição da Residência Hill”. Quando encontramos Danny Torrance (Ewan McGregor) 40 anos após os eventos de “O Iluminado”, ele é uma alma perdida. Aqui temos um personagem traumatizado que desceu às profundezas do alcoolismo para apagar as memórias, vozes mentais e espíritos que o perseguem graças a seus enormes poderes psíquicos. Mas ele finalmente começa a alcançar um pouco de tranquilidade através da sobriedade e de um emprego em um hospício de uma cidade pequena, onde usa seu presente para ajudar os pacientes a passarem pacificamente para o outro lado. Então ele encontra Abra (Kyliegh Curran), uma jovem que possui a poderosa essência do brilho que combina e talvez exceda o seu.

Abra descobriu acidentalmente a existência de um grupo malévolo de parasitas psíquicos semi-imortais, conhecidos como o Verdadeiro Nó, que se alimentam da essência das crianças com que possuem o brilho. Sob o domínio da dor e do terror, o Nó é liderado pela antiga, porém atraente, Rose Cartola (Rebecca Ferguson), que sente a presença de Abra e percebe que ela pode ser uma fonte interminável e agonizada da essência do brilho para seu povo nos próximos anos. Cabe a Danny enfrentar seus próprios medos e enfrentar seu passado, se ele quiser salvar Abra dos horrores que o Nó planejou para ela.

(As personagens “Abra” [Kyliegh Curran] e “Rose Cartola” [Rebecca Ferguson] em cena do filme “Doutor Sono”/ Warner Bros. Pictures)

Como todas as grandes histórias de horror, “Doutor Sono” não é apenas sobre fantasmas e choques traumáticos. É uma história de vício, recuperação e empatia, McGregor se destaca como um homem que passa por todos esses três estágios e luta para manter sua decência básica, deixando o passado para trás. A quantidade de tempo que “Doutor Sono” passa dando a você uma imagem completa da jornada de Danny pode parecer lenta para alguns (e em quase 150 minutos, o filme tem seus pontos lentos), mas também investe o espectador no destino de cada personagem.

É por isso que a Rose de Ferguson pode roubar a imagem toda vez que ela aparece na tela, pois ela é uma das vilãs mais complexas já criadas em um filme de gênero. Seu amor por sua “família” é igualado apenas pela maneira impiedosa que ela arrebata suas presas (o longa possui uma sequência na qual vemos toda a extensão de como o Nó extrai a essência do brilho de uma jovem vítima não é para os fracos). Com Ferguson crepitando uma vilã devassa e McGregor trazendo uma versão adulta e convincente de Danny, temos ao longo do filme uma síntese de Flanagan com as versões do livro e filme de “O Iluminado”, o que compensa em grande parte para o roteirista e diretor em não ficar preso em uma só linha, pois o que ele demonstra dos “clássicos” não é servilmente fiel.

O Hotel Overlook teve destinos muito diferentes no livro de King e no filme de Kubrick. Há alguns momentos no final deste filme, quando o tributo visual de Flanagan ameaça se esforçar um pouco demais com retornos de chamada, mas sua inteligente mudança para o texto de origem fornece um clímax familiar e digno do novo contexto em que ele é colocado. Flanagan sabe também que o horror não funciona sem personagens com os quais se possa sentir e se conectar e ele faz isso acontecer em “Doutor Sono”, como também fez em “Jogo Perigoso”“A Maldição da Residência Hill” e em seus próprios filmes originais, como o agradável “O Espelho”

(Cena com o personagem Danny Torrance [Ewan McGregor] no filme “Doutor Sono”/ Warner Bros. Pictures)

Flanagan faz vários elementos funcionarem, tira o máximo proveito de seus atores e proporciona momentos realmente chocantes, ele honra os marcos literários e cinematográficos que provocam isso no espectador. O crédito também deve ser dado ao diretor de fotografia Michael Fimognari e ao designer de produção Maher Ahmad por seus trabalhos excelentes, aqui vemos uma textura genuinamente ressonante e todo essa essência de brilho é retirada (um leve trocadilho com os acontecimentos do filme) de um livro que talvez tivesse expectativas excessivamente altas antes mesmo de aparecer, Flanagan, seu elenco e sua equipe de produção criaram aqui uma das adaptações mais ricas de Stephen King em anos, uma boa sequência.


Trailer:


Gostou da matéria? Então dá aquela força, comenta e compartilha com seus amigos, curta, siga e fique ligado no Protocolo XP nas redes sociais.

Protocolo XP no Facebook

Protocolo XP no Twitter

Protocolo XP no Instagram

Comente!

Doutor Sono chega aos cinemas no dia 07 de Novembro.

8

Nota para o filme:

8.0/10

Prós

  • Rebecca Ferguson
  • Elenco
  • Fidelidade com os livros

Contras

  • Lentidão na História
Comments

Críticas e Reviews

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: