Crítica

EUPHORIA | O viciante e brutal mundo da adolescência (Crítica da 1° Temporada)

Uma produção atual, que mostra de forma nada eufórica os jovens de hoje. A série Euphoria, produção original da HBO que conta com o apoio do cantor Drake, aborda temas atuais e sem nenhuma vergonha. Enquanto a campanha de marketing para Euphoria, que estreou após a segunda temporada Big Little Lies, sugere uma bagunça cheia de brilho de euforia adolescente, a realidade da série não é tão assim.

Em vez disso, a série estrelada por Zendaya vive o doloroso período de queda que se segue a uma vertiginosa e aparentemente divertida apropriação do uso de drogas. É impossível imaginar os pais que podem se reunir com Big Little Lies sobrevivendo a um episódio da confusa geração-Z no qual a série Euphoria retrata com bastante perfeição, por isso eu o sucesso aconteceu entre gregos e troianos (neste caso adolescentes e adultos adoraram).

Zendaya em cena da série ‘Euphoria’ / HBO

Criada por Sam Levinson, a produção centra-se em dois personagens que os espectadores raramente veem na televisão, mas devem, principalmente com campanhas sobre o respeito aos LGBT+. A primeira é a viciada Rue Bennett (Zendaya), uma estudante do ensino médio envolvida por várias lutas em sua saúde mental. Depois de uma vida inteira de pânico quase paralisante, Rue acaba se voltando para as drogas por apenas alguns segundos de esquecimento, essa é a euforia dela.

Encontramos Rue recém-saída da reabilitação depois que uma crise foi lentamente revelada ao longo da 1ª temporada da série. Com Rue de volta para casa no final do verão, ela está livre para conhecer a segunda liderança da série, sua futura melhor amiga Jules (Hunter Schafer), garota nova da cidade, adolescente trans e fã do Grindr, aplicativo de encontros.

Zendaya e Hunter Schafer em cena da série ‘Euphoria’ / HBO

Através de Rue, Jules e personagens de destaque como Nate Jacobs (Jacob Elordi em uma atuação intimidadora), os telespectadores atravessam os tropos adolescentes da TV. Há festas, existem drogas, temos muito sexo e um desfile de genitálias totalmente frontais para provar a como é a verdade nua e crua do mundo atual dos adolescentes. São cenas como essa que lembram que Euphoria não é Skins, seu ancestral mais próximo da TV, embora ambos dediquem cada episódio a um membro do elenco diferente. O clássico britânico sorriu e divertiu através de sua devassidão. Já a produção da HBO é assombrada pelo fantasma da melancolia e manipulação inabaláveis.

Embora todas essas camadas sombrias sejam difíceis de serem ingeridas por alguém na adolescência, eles provavelmente falarão com adolescentes reais mais do que qualquer outra série. Euphoria captura a crise existencial muito real que os jovens enfrentam atualmente. Como Rue diz como introdução, ela faz parte de uma geração nascida e criada após os ataques terroristas de 11 de setembro. São pessoas que nunca existiram sem a frase “Guerra ao Terror” nas telas. Só esse detalhe é aterrorizante. Então, graças à onipresença da Internet, as realidades daquele dia devastador e todas as outras coisas ruins do mundo foram canalizadas para os olhos desde que puderam ver.

Zendaya e Hunter Schafer em cena da série ‘Euphoria’ / HBO

Enquanto Rue “brinca” em um ponto da série, para os adolescentes, com certeza parece que o apocalipse está próximo. E eles estão apenas começando a viver. Portanto, uma das cenas mais poderosas do piloto mostra Rue sentada no que parece ser um exercício de tiro ativo em sua escola. Isso sugeria que Rue e seus colegas estavam se preparando para uma tragédia tão perturbadora e recorrente desde a pré-escola. Um garoto é tão blasé com a situação, que exibe pornografia não solicitada para Rue pelo iPhone. Para espectadores mais velhos, isso é infernal. Para Rue, é um dia normal na escola.

Infelizmente, a capacidade da Euphoria de entender os jovens em um nível molecular é o que a torna tão assustadora. Os fãs terão empatia e se identificarão com os personagens. E quando esses personagens entram em situações de risco ou exploração, essas experiências são frequentemente codificadas como fortalecedoras e despertadas, em vez de perigosas e humilhantes. Quando uma garota é engasgada sem consentimento durante o sexo, tudo porque sua paixão foi revelada contra seu conhecimento, ela não diz simplesmente ao cara para nunca mais fazer isso, pois seria um lembrete saudável para os espectadores. Em vez disso, ela imediatamente faz um pedido sexual que quase justifica a agressão sexual inicial. Os fãs jovens se afastam da cena confusas, na melhor das hipóteses, sobre sua própria agência sexual.

Para piorar a situação, Maddie Perez (Alexa Demie) e Kat Hernandez (Barbie Ferreira), sofrem um destino semelhante de maneiras muito diferentes. Jules é uma personagem tão amável que você esperará protegê-la a todo custo, por mais que ela seja colocada em situações assustadoras que fazem você querer pular para a próxima cena completamente.

Time de atrizes em cena da série ‘Euphoria’ / HBO

Você notará que Rue é deixada de fora dessa lista de encontros sexuais alarmantes. Isso ocorre porque Rue é tão preocupada com o vício que raramente tem tempo para estímulos românticos. A batalha desses adolescentes leva a série em cenas que são tão visceralmente arrepiantes que é possível que você comece a ficar angustiado antes mesmo de perceber. O lado positivo aqui é que Zendaya está apresentando seu melhor desempenho até agora, brilhando sem medo e com muita honestidade nos momentos mais sombrios de sua personagem, uma grande série que merece ser assistida para entender vícios, para entender os jovens e também para você quebrar qualquer paradigma em relação ao que você julga sobre o estado atual da geração-Z.


Euphoria (1ª Temporada)

9

Nota para a 1ª Temporada:

9.0/10

Prós

  • Ótima atuação da Zendaya
  • Elenco de apoio perfeito
  • Temas atuais
  • Cenas sem pudores
  • Produção da HBO

Contras

  • Alguns episódios lentos

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: