Crítica

HISTÓRIA DE UM CASAMENTO | O triste e degradante fim de um relacionamento (Crítica)

Charlie e Nicole formam um belo e bem-sucedido casal. Ele sendo um diretor de teatro em ascensão e ela uma atriz fabulosa que emprega qualidade ao espetáculo. Mesmo com o sucesso das peças teatrais envolvendo-os, a sintonia que o casal transmite artisticamente está desmoronando fora dos palcos e mesmo que eles ainda estejam juntos, a história de casamento deles inclui uma grande ligação, especialmente pelo nascimento de um filho amado no qual irá coloca-los em uma batalha triste e degradante pelo fim do relacionamento entre eles.

Ao retratar o divórcio nas telonas, o diretor Noah Baumbach é bastante insistente igual seus personagens que querem ter uma separação sem acusações venenosas, mas pela natureza do que Charlie e Nicole estão passando, os sentimentos feridos e as recriminações foram inevitáveis. Começando o filme com agradáveis ​​e paralelas anotações de elogios que cada parte escreveu sobre a outra durante uma sessão de terapia de casais, o filme desliza por meio dos bons tempos através da montagem que reforça belas e breves lembranças do casal. 

Talvez sejam esses sentimentos fugazes que permitem que Charlie seja claramente construído com base nas próprias experiências de Baumbach com seu divórcio e a transmissão ilusória nos mostra que o divórcio poderá não afetar seu trabalho de direção nem seu relacionamento com seu filho. Ainda assim, o longa tem poucas ilusões, mesmo o tempo de cena favorecendo Charlie em geral, enquanto ele luta arduamente para voar entre a Califórnia e Nova York para ver seu filho, inclusive sendo forçado a alugar um apartamento em Los Angeles para argumentar legalmente que Henry deveria morar em Nova York. 

Com essas picuinhas sendo um grande catalisador de um divórcio que começou amigavelmente, logo vemos o envolvimento de advogados que transformam a separação entre o casal como uma “briga de rua” no tribunal. Enquanto Nicole (Johansson) admira que Charlie (Driver) é o homem mais nova-iorquino do que qualquer outra pessoa, ela nunca se sentiu realmente enraizada lá. Dez anos depois que ela se mudou para a cidade e desistiu de uma carreira cinematográfica para ficar com Charlie, ela levou um piloto de televisão de volta a Los Angeles, que também acontece onde sua mãe e sua irmã estão morando e onde ela e Charlie se casaram, bem como onde o filho deles nasceu também.

Essa distinção entre licenças de casamento e certidão de nascimento do filho Henry (Azhy Robertson) acaba sendo titânica no que diz respeito ao sistema jurídico. Charlie pode ser um ótimo pai, mas ele também está muito envolvido em seu próprio trabalho e autoimagem como um prodígio da Broadway emergente, e ele não consegue mais imaginar viver na ensolarada Los Angeles do que em um mundo onde Henry não está. Nicole está realmente buscando o que quer, especialmente depois de ter uma reunião com a advogada Nora (Laura Dern).

Johansson carrega uma indignação que ainda é sem forma para ser identificada como ressentimento. No entanto, em seu primeiro encontro com Dern, o amor se transforma em frustração e depois exasperação ao reviver uma década em um momento. Trata-se de um solilóquio de cinco minutos que encapsula anos. As coisas ficam cada vez mais aquecidas quando Nicole e Charlie vão para o tribunal e Henry começa a esquecer que ele também mora com o pai, o que deixa o personagem com atitudes de uma criança bastante chata e mimada.

O filme mantém a sensibilidade na forca e se manifesta em momentos como a advogada sobrenaturalmente agradável de Laura Dern tirando os sapatos enquanto ouve uma história triste, ou a maneira como ela pode ser toda amigável com abraços e beijos com o ator Ray Liotta sendo o advogado durão de Charlie. Mas também pode ser encontrado da maneira mais divertida quando Nicole e sua mãe Sandra (Julie Hagerty) discutem se Sandra ainda será amiga de Charlie.

Lembrando as comédias mais sofisticadas dos anos 70, há uma melancolia generalizada em História de um Casamento e isso torna os risos mais ridículos e a realidade subsequente insuportável. Por meio disso tudo, Scarlett Johansson e Adam Driver oferecem um trabalho inigualável no qual ganha destaque especial próximo ao final do filme onde Charlie, sempre sendo um showman, pode finalmente encontrar as palavras para expressar sua angústia cantando (na íntegra) um número musical de Stephen Sondheim

A cena é um crescente devastador de emoções engarrafadas, pois finalmente o artista viciado em trabalho que não conseguia encontrar as palavras para dirigir sua própria vida descobre tudo. É uma verdadeira nota alta após as duas horas de filme que apresentavam seu próprio coro de lágrimas e sorrisos, e uma aceitação que mesmo após a cortina final mostra que os sentimentos deixados para trás sempre permanecerão tanto para Charlie e também para Nicole.


Trailer:

História de um Casamento (2019)

9

Nota para o filme:

9.0/10

Prós

  • História
  • Elenco de estrelas
  • Atuação de Adam Driver
  • Direção
  • Trilha Sonora

Contras

  • Ator mirim irritante

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: