Crítica

HOMEM-ARANHA: LONGE DE CASA | Bem mais divertido e continua espetacular! Mas podia ser melhor! (Crítica)

Após os acontecimentos surpreendentes em Vingadores: Ultimato, eis que chega o filme que serve para fechar e quem sabe dar um promissor futuro ao MCU, Homem-Aranha: Longe de Casa. O filme não serve somente para tentar explorar as repercussões do estalo de dedos do Thanos (agora referido como “Blip”, todos os humanos que viraram pó e voltaram foram “blipados”) e dobrar o humor e a aventura de Homem-Aranha: De Volta ao Lar, mas o novo filme do diretor Jon Watts (que dirigiu o longa anterior) também precisa dar início a uma nova era do Universo Cinematográfico Marvel, sem ficar muito atolado em conhecimento e continuidade.

Parece uma tarefa impossível – mesmo para o Homem-Aranha – e ainda assim, de longe, “Longe de Casa” oferece tudo isso e muito mais. Apesar de um começo lento e de uma comédia escrachada, o mais recente filme da Sony e a parceria extremamente frutífera da Marvel são apresentados como um dos filmes mais criativos, ousados ​​e divertidos do MCU em constante expansão.

O chefe da Marvel Studios, Kevin Feige, pode afirmar que o Homem-Aranha: Longe de Casa é, na verdade, o último filme da Fase 3, mas não há como negar que o Aranha está aqui para dar início a uma nova era. Longe de Casa pode explorar as ramificações de um mundo onde não só os super-heróis são a norma, mas metade da população desapareceu e reapareceu cinco anos depois. É um novo mundo ousado, e a última aventura de Peter Parker é apenas o começo.

O longa passa um bom tempo aproveitando as consequências do “Blip” em um nível mais local. O filme começa com a hilariante rotina de anúncios matutinos apresentada na escola do Peter, dando a dois âncoras de estudantes do ensino médio a chance de participar da exposição e reclamar sobre como o irritante genocídio de Thanos forçou alguns deles a repetir o ano letivo.

Esse intervalo de cinco anos entre Guerra Infinita e Ultimato também criou algumas tensões interessantes. Metade dos alunos são cinco anos mais velhos, enquanto a outra metade (de alguma forma incluindo todos os personagens principais) não envelheceu um dia. Isso tem algumas consequências inesperadas, como colocar Peter Parker (Tom Holland) em um triângulo amoroso inesperado com MJ (Zendaya) e outro estudante do sexo masculino que, de repente, tem o dobro de seu tamanho. A melhor piada relacionada ao Blip, no entanto, vai para Martin Short como um professor infeliz que a esposa o abandonou usando o estalo de Thanos como desculpa (essa parte é hilária no filme).

Enquanto isso, Happy Hogan continua sendo ótimo, esperançosamente consolidando o personagem de Jon Favreau como um grampo do MCU em um mundo pós-Homem de Ferro. O breve desempenho de Marisa Tomei como Tia May é perfeito, mesmo que ainda pareça estranho ver a personagem interpretada por alguém relativamente jovem. Dos garotos, Tom Holland continua impressionando, ele explora perfeitamente a metáfora da pubescência adolescente que é o Homem-Aranha como um garoto desajeitado com incríveis superpoderes. Enquanto isso, Jacob Batalon equilibra Peter Parker como seu melhor amigo Ned Leeds, um nerd confiante que se une a Angourie Rice (Betty) desde cedo em um relacionamento que é mais usado para piadas. Finalmente, Zendaya é inegavelmente uma estrela, e lançá-la como uma nerd anarquista continua valendo, mesmo que ela provavelmente seja boa demais para os filmes da Marvel neste momento.

Homem-Aranha: Longe de Casa só pode passar tanto tempo revendo os eventos de Vingadores: Ultimato antes que ele precise se aventurar em sua própria aventura, e é aí que o filme começa a se solucionar e ter problemas também. Depois que Peter Parker se esquiva de suas responsabilidades de super-herói para ir com os seus amigos da escola para a Europa (onde ele espera beijar MJ), mas os problemas rapidamente seguem na forma de monstros elementais (chamados só de Elementais) e Nicky Fury (Samuel L. Jackson um tanto desajustado e sabemos o porquê no final). Tudo parece um pouco rançoso, mesmo com a adição do Mysterio / Quentin Beck (Jake Gyllenhall), um super-herói que serve como algo entre uma nova figura paterna e um irmão desajeitado para o Homem-Aranha.

Enviar Peter para a Europa funciona na medida em que o afasta de sua zona de conforto, mas também transforma a história em uma espécie de eurotrip juvenil com perigos e aventuras de um super-herói que sai de férias e o problema o segue, ele faz um novo amigo e eles lutam contra os monstros juntos.

Não é atoa que o segundo ato filme é bem imergente na aventura e aqui as coisas realmente funcionam bem e considerando todo o passado com que o Mysterio vem carregado (nos quadrinhos, ele é basicamente um trapaceiro de nível Loki sem a mitologia nórdica). Obviamente isso resulta em uma reviravolta e isso eleva rapidamente Longe de Casa como um dos filmes mais atraentes do ano (super-herói ou não). Algumas sequências são absolutamente impressionantes, confiando fortemente no CGI que é usado sem exageros para dar vida a um dos mais desconcertantes personagens da história em quadrinhos da Marvel sem suar a camisa.

O enredo também aumenta rapidamente à medida que tanto o Homem-Aranha quanto o público lutam para descobrir o que está acontecendo. Durante a maior parte do filme, estamos rindo de Peter Parker enquanto ele tropeça pela Europa, foge de suas responsabilidades de super-herói e diz coisas estranhas a Zendaya. Mas, no final, é impossível não ter empatia com ele.

Homem-Aranha: Longe de Casa não é um filme perfeito, mas ele consegue acertar onde De Volta ao Lar errou.  A aventura aqui é bem maior, mas aqui o longa continua se apoiando em explicações lentas que passam muito tempo transicionando entre o trauma do que veio diretamente antes dele e o conflito real desta história.

Ainda bem que os irmãos Russo trouxeram o personagem para o Universo Cinematográfico da Marvel, conseguir que a Sony devolvesse o Homem-Aranha (mesmo que temporariamente) foi sem dúvida sua maior contribuição. Agora que vimos ele em casa, no exterior e no espaço, a única pergunta que resta a fazer é o que Peter Parker pode fazer a seguir? Felizmente, parece que as mentes por trás do longa já estão com grandes ideias, e se as duas cenas pós-créditos do filme são alguma indicação, o próximo filme pode ser ainda melhor do que os dois últimos que continuam evoluindo.


Trailer:

Gostou da matéria? Então dá aquela força, comenta e compartilha com seus amigos, curta, siga e fique ligado no Protocolo XP nas redes sociais.

Protocolo XP no Facebook

Protocolo XP no Twitter

Protocolo XP no Instagram

Homem-Aranha: Longe de Casa

8

Nota para o filme:

8.0/10

Prós

  • Vilão
  • Elenco
  • História
  • CGI

Contras

  • Stark Dependência
  • Inocência do Peter Parker
  • Nick Fury

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: