Crítica

JACK RYAN | Com pouca enrolação e muita ação, nova temporada arrasa! (Critica da 2° temporada)

Após uma primeira temporada bastante agradável no serviço de streaming Amazon Prime Video, eis que oito novos episódios são lançados da versão de John Krasinski sobre o popular personagem criado por Tom Clancy, Jack Ryan.

Com todos os espectadores já familiarizados com Jack Ryan e sua trupe, a nova temporada reconhece as críticas da trama arrastada da primeira temporada e embora não as resolva por completo, pelo menos temos aqui uma sólida tentativa de retratar Ryan, seus companheiros e seus cenários de maneira mais detalhada e complexa. No final da temporada passada, o novo entendimento da dupla de agentes controversos parecia apontar na direção de uma dinâmica demonstrada nos livros de Clancy e em suas inúmeras adaptações anteriores. Em vez de encerrar a primeira temporada como um grande “prequel” para suas aventuras posteriores, no entanto, a segunda temporada acaba partindo para uma nova e surpreendente aventura.

Ryan deixou a CIA para trabalhar no Capitólio, onde aconselha um amigo e ex-comandante militar que se tornou político. Atualmente, eles estão rastreando um cargueiro suspeito com ligações russas que chegou à Venezuela, onde o polêmico presidente Nicolás Reyes (Jordi Mollà) enfrenta um possível golpe nas próximas eleições. Enquanto isso, os últimos esforços de Michael Greer (Wendell Pierce) no escritório russo apontam na direção do mesmo cargueiro, que pode estar carregando armas nucleares – ou os meios para fazê-las.

Eles acabam se reconectando na Venezuela, onde a equipe de Ryan se encontra com Reyes para discutir o navio de carga. O presidente venezuelano os rejeita e nega sua presença como a mais recente tentativa dos Estados Unidos de se envolver nos assuntos políticos soberanos da América do Sul (para ser honesto, é em si uma pré-crítica válida de Jack Ryan, considerando as críticas de sua primeira temporada. Por isso, o atual governo venezuelano condenou a nova temporada com base em seus materiais promocionais).

Como qualquer “história de origem”, a primeira temporada de Jack Ryan sofreu com a necessidade compreensível dos co-criadores Carlton Cuse e Graham Roland de apresentar o personagem e estabelecer firmemente sua boa-fé antes de levá-lo a uma conspiração terrorista global contra os Estados Unidos. Embora sua estreia finalmente o tenha derrubado no meio de um tiroteio no Iêmen, a história de Ryan se arrastou por vários episódios e foi, em última análise, mais longa do que o necessário. 

Com muito disso fora do caminho, no entanto, a segunda temporada mergulha imediatamente no status atual de Ryan. Então, ao invés de forçar Krasinski a dispensar ainda mais pontos na trama, isso permite a ele bastante espaço e tempo para inspirar alguma emoção no personagem. E inspirar (e expirar) é o que Ryan consegue fazer bem nos episódios e para ser franco, o que personagem tem chamariz e olho certo para as coisas erradas. Sim, a primeira temporada estabeleceu seu status de veterano de combate que sofreu uma turbulência física e psicológica incrível após um ataque de granada, mas depois o colocou em uma série de posições semelhantes. Além disso, ele continuava fazendo isso enquanto tentava demonstrar, repetidamente, quão inteligente ele era.

Agora com sua saída da CIA para o Capitólio, o personagem demonstra um crescimento pessoal excepcional. Isso também representa uma barreira adicional em seu relacionamento com Greer, que é praticamente discutível quando as circunstâncias os reúnem na Venezuela. Quando os explosivos começam a explodir e as balas voam, no entanto, seus respectivos instintos entram em ação e a perseguição começa. Embora seja uma perseguição muito mais constante do que as experiências recentes de Jack Ryan, lembrando-o de verificar suas opções em a cada esquina e o problema cardíaco de Greer o impede fisicamente às vezes.

Além da dupla dinâmica recombinada, a nova temporada de Jack Ryan também introduz novos e excelentes personagens. Miguel Ubarri (Francisco Denis), um confidente próximo de Reyes que não parece estar inteiramente por trás das ambições políticas de seu amigo de infância, Gloria Bonalde (Cristina Umaña), a desafiadora política de Reyes cuja popularidade com o povo pode ser disfarçada por fins mais desonestos, Harriet Baumann (Noomi Rapace), uma agente alemã inteligente que encanta as boas graças de Ryan e Max Schenkel (Tom Wlaschiha), um assassino desonesto que tem vínculos com Baumann e está metido em uma grande conspiração.

O super assassino da CIA, Matice (John Hoogenakker), também está de volta, junto com Mike November (Michael Kelly), chefe de escritório da CIA na Venezuela, cuja marca particular é acrescentada em alguns momentos mais leves às várias reviravoltas da nova temporada. Mesmo com todas essas adições novas e antigas, sem mencionar várias parcelas destinadas a concretizar as coisas (com diferentes graus de sucesso), a segunda temporada de Jack Ryan consegue se unir de uma maneira bem mais envolvente do que a primeira temporada. 

Assisti-la até o fim e juntá-la com todos os seus oito episódios é uma experiência completamente satisfatória. Mas, pelo menos desta vez, o ex-showrunner Cuse (para saber detalhes do novo showrunner, clique aqui) e sua equipe conseguem combinar o que fez a primeira temporada funcionar com uma nova apreciação da personalidade de Ryan.

9

Nota para a série:

9.0/10

Prós

  • História
  • Cenas de Ação
  • Ótimo Elenco
  • Bom Plot twist

Contras

  • Visão distorcida e americanizada da América Latina

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: