CríticaIgor

JOIAS BRUTAS | Adam Sandler atua de forma primorosa em um belo pulp noir moderno! (Crítica)

Adam Sandler e filmes de drama são dois conceitos raramente colocados juntos. É claro que ele já provou que consegue entregar uma boa atuação nesse estilo há mais de uma década em Embriagado de Amor, de Paul Thomas Anderson, ou depois no comovente Reine Sobre Mim com o Don Cheadle e o contemporâneo Homens, Mulheres e Filhos de Jason Reitman. Mas seu modo pateta regular é o que cimentou seu status como um item básico da comédia de baixo nível para qualquer espectador e essas colaborações anteriores nos disseram é que tudo o que Adam Sandler precisa é de um ótimo diretor para atuar bem. O ator está lentamente voltando à categoria de prestígio do cinema, ele até estrelou a subestimada The Meyerowitz Stories, de Noah Baumbach na Netflix, e agora consegue cair nas graças do público e da crítica em Joias Brutas (Uncut Gems).

Adam Sandler em imagem promocional do filme ‘Joias Brutas’ (Uncut Gems) – Divulgação/A24 & Netflix

Produzido pela A24 e distribuído mundialmente pela Netflix, a produção é tão brilhante quanto uma das pedras principais do filme, há uma vanguarda na representação de Howie, um comerciante de joias vivido por Adam Sandler, que está sempre pairando logo acima do botão de autodestruição. O longa é eletrizante de assistir, mas é ainda mais gratificante como que os irmãos Safdies usam o astro de comédia apenas como peça central em seu showroom: uma distração brilhante que atrai o público, enquanto o filme produzido em torno dele é mais complicado do que parece. Na verdade, posso dizer com segurança que, Joias Brutas (Uncut Gems) seja um exercício de narrativa de estouro, nunca vi um filme tão híbrido e produzido de forma tão malandra, estranha e viciante.

Situado durante uma semana na vida de seu protagonista,  Joias Brutas (Uncut Gems) leva os espectadores ao fundo do poço com a reputação difusa de Howie e os problemas que o acompanham pelos quais ele é culpado. O principal deles é o seu novo prêmio da Etiópia, uma rocha maciça de opala que oferece espetáculos de luzes espetaculares em seu verniz. Ele levou meses para adquirir essa pedra de “Judeus Negros”, uma distinção que ele faz feliz demais, mas agora ele está prestes a leiloá-la por US $ 1 milhão. Isso se torna valioso até que ele mostra a mais nova celebridade em sua loja, o jogador Kevin Garnett dos Celtics (que se apresenta com perfeição).

Adam Sandler, LaKeith Stanfield e Kevin Garnett em imagem promocional do filme ‘Joias Brutas’ (Uncut Gems) – Divulgação/A24 & Netflix

Garnett está na loja de Howie por causa de um acordo que ele tem com Demany (LaKeith Stanfield), um intermediário que leva celebridades ao local de preciosidades para que elas comprem o que quiserem, durante o filme Demany acaba sendo o cara que convence Howie de que ele deveria deixar Kevin Garnett levar a opala no qual ele se apaixonou. Como Howie tem uma dívida de jogo de cerca de US $ 100.000, parece uma boa ideia. No entanto, para fazer uma aposta em Kevin Garnett e nos poderes míticos da pedra, ele precisa contornar o velho amigo Arno (Eric Bogosian), a quem ele deve essa grana e que contratou dois bandidos musculosos para dar um jeito no protagonista. Esses capangas estão lá a cada passo do caminho com Howie, enquanto ele equilibra suas outras associações empresariais desgastantes, noites no clube e o tempo que ele divide entre Long Island, Manhattan, sua ex-esposa Dinah (Idina Menzel), seus filhos e sua nova namorada Julia (Julia Fox). 

Joias Brutas (Uncut Gems) acaba sendo induzido e saltando entre extremos tonais e temáticos. Muitas vezes é terrivelmente engraçado, mas também quase trágico em sua capacidade de instilar ansiedade por 135 minutos implacáveis, o que acaba conseguindo também incentivar o espectador em assistir cenas com passagens calmas, mesmo que a maior parte delas seja com traficantes tagarelando entre sorrisos nas costas de cozinhas de restaurantes ou no lobby de escritórios. Essa desorientação emocionante é ainda explicada em sua mistura de realidade e ficção, com Adam Sandler escondido atrás de brincos deslumbrantes e óculos escuros enquanto tenta seduzir a estrela do basquete da vida real em uma aposta.

Adam Sandler em imagem promocional do filme ‘Joias Brutas’ (Uncut Gems) – Divulgação/A24 & Netflix

A intenção perfeitamente calibrada pelos irmãos Safdies, que co-escreveram o roteiro com Ronald Bronstein, é remixar as sensibilidades do gênero pulp noir. No fundo este é um filme de crime, apesar de seu protagonista tentar apenas evitar os criminosos por tempo suficiente para ser pego, mas o filme também é comovente, pois contrasta a Nova York com instituições muito mais antigas na fé e nas tradições judaicas. Às vezes, bastante gentil, uma das melhores cenas do filme é Adam Sandler sentado na casa de seu sogro (Judd Hirsch) e refletindo, junto com o público, sobre a ironia de jogar em jogos que ele já ganhou. Quando ele vê sua esposa ainda capaz de se encaixar em seu vestido de bat mitzvá (versão feminina do bar mitzvá), ele espontaneamente começa a propor uma reconciliação. Menzel aqui faz um bom trabalho e ri com ódio afetuoso.

Pois Howie é aquele cara que renegocia uma aposta mesmo depois que ele vence. Pois ele tem interesse em ganhar em tudo, seja sua esposa e sua namorada, ou sua opala e o dinheiro que ele deve a Arno. Mas pela força do desempenho de Adam Sandler, não podemos deixar de amar esse personagem que tem uma  vida frustrante e merecia com toda certeza ter sido lembrado no Oscar 2020. A ingenuidade da vez de Adam Sandler é como você aposta no que deve ser uma causa perdida.

Imagem promocional do filme ‘Joias Brutas’ (Uncut Gems) – Divulgação/A24 & Netflix

Um elenco de apoio ainda mais forte, que inclui reviravoltas de Stanfield, Hirsch, Bogosian e a novata Fox como o mais próximo de uma inocente em tudo isso ao criar um cenário cinematográfico memorável de pessoas desprotegidas. A surpresa entre eles, no entanto, é Kevin Garnett. O que foi dito acima sobre o uso da personalidade de um ator de uma maneira impressionante? Isso também se aplica ao jogador de basquete que dá um retrato sutil de um cara chocado ao saber que o distrito de Diamond tem uma sarjeta e agora ele está se afogando nela.

Os irmãos Safdies revelam a conspiração de todas essas pessoas com empatia suficiente para impedir que isso exploda como exploração cínica ou um simples jogo de confiança. Em vez disso, os diretores são tão seduzidos por essas pessoas quanto Howie e Kevin Garnett  são pela “Opala dos Judeus Negros”. Essas cena em questão ganham força com uma mistura contagiante de ritmos experimentais eletrônicos com melodias de um pop hipnagógico que é frequentemente colocado e pontuado pelo compositor Daniel Lopatin, aqui temos a reverência de um profeta da nova era. E talvez haja um poder místico neste filme maluco que pega arquétipos, gêneros básicos e até estrelas de cinema e as constrói a partir de suas matérias-primas, algo totalmente original e deslumbrante na carreira de um astro que é marcado por filmes bobalhões, temos aqui uma obra-prima moderna.


Trailer:

Joias Brutas (Uncut Gems)

10

Nota para o filme:

10.0/10

Prós

  • Melhor atuação na carreira de Adam Sandler
  • Elenco de apoio primoroso
  • Boa direção e produção dos irmãos Safdies
  • Abordagem da História no gênero pulp noir
  • Trilha sonora contagiante de Daniel Lopatin

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo