Connect with us
JOJO RABBIT | Uma sátira divertida e quase afiada (Crítica) - Protocolo XP

Crítica

JOJO RABBIT | Uma sátira divertida e quase afiada (Crítica)

Published

on

Os nazistas têm sido objeto de sátira da grande tela desde o seu pico de poder e agressão, como visto em O Grande Ditador (1940) de Charlie Chaplin e Ser ou Não Ser (1942) de Ernst Lubitsch, o mundo estava descobrindo toda a extensão dos horrores que infligiam o nazismo. Os dois filmes são considerados obras-primas, mesmo que na época eles tenham recebido algumas críticas por contrastar um tema sério com aventuras humorísticas.

Obviamente retratar uma das maiores tragédias da humanidade com humor é uma linha difícil de andar, mas o diretor e roteirista Taika Waititi (Thor: Ragnarok) consegue transmitir de forma mais leve em Jojo Rabbit algo próximo desses grandes clássicos do século XX em sua nova comédia agridoce, que é baseada no livro Caging Skies, de Christine Leunens. O filme é estrelado por Roman Griffin Davis como Jojo Betzler, um garoto alemão solitário de 10 anos de idade, ingenuamente dedicado ao regime nazista cujo amigo imaginário é o próprio Hitler (interpretado por Waititi). Mas quando Jojo descobre que sua mãe Rosie (Scarlett Johansson) esconde uma jovem judia chamada Elsa (Thomasin McKenzie) em sua casa, seu crescente afeto pela garota logo o questiona sobre sua lealdade e ideologia.

Foto: Fox Searchlight Pictures & Walt Disney Studios Motion Pictures/Divulgação

A parte sobre o imaginário com Hitler poderia facilmente ser interpretado como um drama, pois a verdade é que os aspectos mais dramáticos e trágicos da história se encontram um tanto desconfortáveis ​​ao lado da comédia absurda que é o ponto forte de Waititi, que ultimamente vem se demonstrando como um grande diretor e roteirista em produções com tiradas cômicas. Mesmo que Jojo Rabbit tenha um fluxo constante de momentos de gargalhadas, você sempre está ciente do pano de fundo com o qual eles demonstram e isso é frequentemente trabalhado contra os aspectos mais sombrios da narrativa do filme.

Davis, McKenzie e Johansson são quase impecáveis ​​em seus papéis. Davis é carinhosamente inocente desde o início e seu apelido zombado de “Rabbit (Coelho)” é concedido depois que ele é incapaz de matar um coelho inocente a sangue frio durante um exercício de treinamento da Juventude Hitlerista, sugerindo sua falta de qualificações reais para ingressar em um regime de monstros. McKenzie é obstinada e capaz, inventando histórias que gentilmente afastam Jojo do caminho do antissemitismo, mesmo que sua própria esperança acabe sinalizando que cedo ou tarde o garoto iria cair na real, enquanto o calor materno de Johansson também fornece cobertura para uma coragem e profundidade de uma personagem que poderia ser mais explorada.

Foto: Fox Searchlight Pictures & Walt Disney Studios Motion Pictures/Divulgação

As maiores risadas, ironicamente, vêm de Hitler, de Waititi. Um narcisista chorão, carente, infantil e paranoico que transforma falas em gritaria e raiva a qualquer momento (e que poderia servir como comentário sobre um certo homem-bebê nos dias de hoje). Anacrônico em sua linguagem e comportamento, a mente perversa de Hitler está conectada em Jojo como seu melhor amigo e isso começa a mudar quando o menino começa a ver Elsa como um ser humano e não um monstro. O Fuhrer de Waititi se aproxima mais de Adenoid Hynkel de Charles Chaplin do que, digamos, o chocante e tímido Hitler de “A Queda!”, de Bruno Ganz. Mas mesmo sendo um tolo, ele é um trabalho sutilmente malicioso e que emprega um bom enredo em Jojo Rabbit.

O ódio irracional e ridículo no centro da ideologia nazista recebe um bom chute ao longo do filme, com Waititi explorando o ouro cômico de Rebel Wilson, Stephen Merchant e Alfie Allen como membros locais do Partido que inventam maneiras cada vez mais desesperadas de doutrinar ou intimidar Jojo e outros jovens da aldeia, quando fica claro que a guerra está indo para o sul pelo Reich. Não deve surpreender que o melhor trabalho desse grupo seja de Sam Rockwell como o Capitão Klenzendorf, que dirige o campo local da Juventude Hitlerista, mas que gradualmente se revela assombrado por seus próprios segredos.

Foto: Fox Searchlight Pictures & Walt Disney Studios Motion Pictures/Divulgação

Mesmo com seu elenco robusto e o jeito de Waititi com humor verbal e piadas à vista, o filme como um todo parece estranhamente evanescente. Sua mensagem é relevante e simples, mas, quando comparada com os horrores de seu cenário histórico, não corresponde exatamente a esta gravidade e potência. Jojo Rabbit é agradável de assistir e, no entanto, estranhamente imóvel, embora seus atributos agradáveis ​​superem o suficiente para tornar o filme bem-sucedido com os riscos que corre. O filme pode não chegar próxima das obras de Chaplin ou Lubitsch (ainda), mas Waititi não desonra a trilha que eles abriram.


Trailer:

Comente!

Jojo Rabbit

9

Nota para o filme:

9.0/10

Prós

  • Abordagem da História
  • Roteiro
  • Elenco
  • Ótimo timing das sátiras
  • Boa ambientação da Época

Contras

  • Faltou mais profundidade na história
  • Pouca exploração dos coadjuvantes
Comments

Críticas e Reviews

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: