Crítica

MARIA E JOÃO: O CONTO DAS BRUXAS | Um conto arrastado e visualmente belo! (Crítica)

Qualquer garota que lê um conto de fadas aprende desde cedo a suspeitar de dons mágicos envolvendo personagens femininas, pois toda bênção de beleza é oferecida para uma princesa inofensiva, que infelizmente acaba sendo arquétipo para um desigual conhecimento sobre os clássicos contos, que em sua totalidade foram escritos por homens e viam as mulheres com outros olhos. Com o tempo passando e uma obrigação futura de mudar isso, acabamos tendo uma dívida que eventualmente está sendo cobrada, mudar essa visão retrógrada e colocar um pouco mais de protagonismo em personagens femininas.

Como atualmente as meninas viraram leitoras preparadas para entenderem e apoiarem histórias novas e velhas, essas adversidades acabariam sendo exploradas em um mix totalmente aterrorizante no qual Maria e João: O Conto das Bruxas (Gretel & Hansel no original) é apoiado. O filme mostra que Maria (Sophia Lillis) sendo beneficiária desses caprichos modernos em uma época sem privilégios, obviamente que esse presente vem de uma bruxa, mas a personagem também tem a chance de realmente considerar o presente oferecido a ela. 

Sophia Lillis em cena do filme Maria e João: O Conto das Bruxas (Gretel & Hansel) / Imagem Filmes

À primeira vista, o filme de Osgood Perkins é uma bem-vinda visão sombria do material original. No entanto, como a casa de gengibre da bruxa, o longa sofre em sua construção e após uma inspeção mais minuciosa. Por mais que seja interessante que nos últimos sete anos vimos duas adaptações muito diferentes do famoso conto dos Irmãos Grimm, com sua dinâmica de irmão maleável e a indulgência grotesca no canibalismo. Em 2013, foi legal ver João e Maria envelhecidos como caçadores de bruxas ao serem interpretados por Jeremy Renner e Gemma Arterton, explorando o que acontece depois que eles escapam por pouco de se tornar o jantar da bruxa. Mas, no início de uma nova década, Perkins volta a adaptar o clássico conto e à questão de saber se é possível fugir quando o resto do mundo não é menos perigoso.

Poucas adaptações de contos de fadas têm um senso tão agudo de quão sombrio foi o mundo em que os Grimms gravaram suas histórias, onde não é apenas o medo de bruxas e lobos à espreita, mas seus vizinhos e até seus pais. Maria e João: O Conto das Bruxas é realmente ambientado durante o tempo em que se pensava que a história se originou: a Grande Fome de 1315-1317, na qual adultos famintos abandonavam seus filhos como o menor dos pudores. Essa sensação de fome permeia esse conto, no qual Maria, de 16 anos, e seu irmão João (Sam Leakey), de 8, se transformam em um mundo sombrio e cheio de pervertidos e vagabundos, no qual eles tentam a sorte em várias novas casas em potencial antes de descobrir a cabana mágica na floresta.

Ao definir o filme exclusivamente da perspectiva da irmã muito mais velha (em comparação com as histórias anteriores, onde os irmãos têm aproximadamente a mesma idade), torna-se a luta de Maria em ser infantil e ao mesmo em avançar e crescer até a idade adulta, com João sendo um peso doce, mas sufocante para sua irmã. Lillis interpreta bem essa ambivalência, especialmente quando se tornam convidados semipermanentes de Holda, também conhecida como a Bruxa (Alice Krige). João se delicia com o banquete interminável, enquanto Maria desliza sem esforço para o papel de aprendiz de Holda. Enquanto ela aprende as propriedades medicinais de flores e raízes, e sofre alguns sonhos verdadeiramente desagradáveis ​​provocados por toda essa comida rica, Maria aborda o terrível segredo de como a Bruxa ganhou sua relativa liberdade e independência.

Cena do filme Maria e João: O Conto das Bruxas (Gretel & Hansel) / Imagem Filmes

No entanto, enquanto a luta moral de Maria se desenrola, não está claro exatamente o que Perkins e o corroteirista Rob Hayes pretendiam para a própria Bruxa. Os detalhes sinistros que se destacam nos materiais de marketing como dedos com ponta preta, puxando o rabo de cavalo de uma garota da boca como um macarrão pendurado parecem configurá-la como um arquétipo de terror moderno instantaneamente marcado como A Freira do spin-off de Invocação do Mal. No entanto, Krige confere a Holda um mundanismo um pouco mais desapegado do que um livro de histórias antigo e ela pode ter alguma maquiagem ou prótese estranha esticando a pele, mas ainda é afiada mesmo em seu isolamento autoimposto. Na verdade, alguém quer passar mais tempo com ela, embora todos sabemos que isso é impossível, considerando como a história termina.

O público terá que se contentar com as trocas entre Holda e Maria e seus comentários brutais, mas relacionáveis, sobre maternidade e feminilidade, sobre o desejo persistente de ficar sozinha e quanto isso é responsável apenas por si mesmo justamente quando alguém sacrificaria por essa necessidade desagradável. Francamente, é impressionante que uma equipe criativa composta principalmente por homens possa atingir o coração do dilema de muitas mulheres modernas.

Infelizmente, esses breves flashes de insight estão trancados atrás das portas ocultas de um filme excessivamente estilizado e com um história lenta que acaba se perdendo somente em seu belo visual gótico. A direção de arte como a fotografia são extremamente incríveis e caprichadas, mesmo em cenas noturnas na floresta e também na casa mal-assombrada da Bruxa. Embora uma afinidade (ou falta dela) por cenas longas e persistentes e sequências de sonhos surreais seja certamente uma questão de gosto, a ênfase nessas imagens impressionantes prejudicam o ritmo inconsistente do filme, deixando a produção com cara de suspense. 

Alice Krige e Sam Leakey em cena do filme Maria e João: O Conto das Bruxas (Gretel & Hansel) / Imagem Filmes

Tudo é muito bonito, mas Perkins e sua equipe poderiam ter provado melhor ao que foi vendido o longa, uma pena, pois a produção tinha tudo para ser um conto sombrio e magistral, o que temos aqui é somente um ensaio de evolução de seres poderosos.


Trailer:

Maria~e João: O Conto das Bruxas

6.5

Nota para o filme:

6.5/10

Prós

  • Sophia Lillis carrega o filme
  • Ambientação gótica
  • Fotografia

Contras

  • História arrastada
  • Enredo previsível
  • Vendido como terror mas é só um suspense

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: