CríticaIgor

MONSTER HUNTER | Mais uma desastrosa bomba de Paul WS Anderson e Milla Jovovich (Crítica)

Paul WS Anderson e Milla Jovovich aumentam a sua lista de filmes ruins com Monster Hunter

O diretor Paul WS Anderson é um cineasta que faz parte de um panteão em que não esperamos maravilhas, em sua filmografia temos muitos longas que beiram a mediocridade ou pior, em muitas vezes caindo na impossibilidade de assistir, e o fato de seis dos 13 filmes que ele dirigiu, incluindo o novo Monster Hunter, serem baseados em videogames, diz tudo o que você precisa saber sobre qual a próxima bomba em que ele irá lançar.

Monster Hunter / Sony Pictures – Foto: Divulgação

Monster Hunter é baseado na franquia de videogame de mesmo nome da Capcom (acontece de ser o segundo game mais vendido da Capcom após Resident Evil, no qual Paul WS Anderson também conduziu a franquia de seis filmes para um considerado sucesso de bilheteria). Como tantas outras adaptações de videogame, incluindo aquelas com as quais Anderson nos cercou, esse novo filme do diretor é um desastre.

Filmado há dois anos na África do Sul e estrelado pela sua esposa, musa e frequente parceira criativa de Anderson, Milla Jovovich, o novo longa do casal é um compêndio de 93 minutos de tropas tiradas do jogo, além de muitos outros filmes, todos misturados em uma batalha de fantasia de ação que é tão sem sentido quanto tedioso.

O filme estabelece em um prólogo que há outra dimensão bem ao lado da nossa que parece ser um grande deserto em CGI, através do qual vemos o pobre e desinteressado Ron Perlman (em uma peruca de cantor de heavy metal) navegar em uma nave que acaba sendo atacada por um grande monstro de CGI. Logo Corta para o nosso mundo, onde a Capitã Artemis (Milla Jovovich) está liderando uma equipe militar em uma “operação de segurança conjunta” em outro deserto sem nome e sem características em algum lugar.

Monster Hunter / Sony Pictures – Foto: Divulgação

Sua equipe encontra uma tempestade bizarra de CGI e antes que você perceba, a tripulação e seus veículos passam por mais pixels para pousar na outra dimensão. Todos eles, exceto Artemis (incluindo Tip “TI” Harris, Meagan Good e Diego Boneta) são massacrados em 15 minutos por mais monstros de areia e algumas coisas parecidas com aranhas. O filme é tão roteirizado que o espectador acaba não se importando com a morte dessas pessoas que mal conhecemos. Ainda assim, Artemis é resgatada pelo Caçador (Tony Jaa). Depois de desconfiarem um do outro por alguns minutos, eles decidem ser amigos e cruzam o deserto para lutar contra mais monstros.

Se esse enredo parece tão básico que uma criança de seis anos poderia segui-lo, então você entende a mentalidade em ação aqui. Tudo em Monster Hunter é direcionado ao nível de inteligência mais baixo possível, desde o diálogo até a construção de um mundo simplista em que nunca realmente estabelece nada sobre a dimensão paralela, exceto que está cheio de monstros, alguns humanos e um gato do tamanho de um humano que é um personagem do jogo, aqui os fãs da franquia vão ao deleite ao ver o amigato, Meowscular (Miausculoso) Chefe de Monster Hunter: World.

Monster Hunter / Sony Pictures – Foto: Divulgação

É possível que os fãs do jogo da Capcom fiquem satisfeitos o suficiente pela clara devoção de Anderson à franquia (e não se engane, ele também quer construir uma série de filmes a partir disso, terminando o filme em um maldito momento de angústia seguido por uma cena os créditos provocativa), mas mesmo sua paciência pode ser testada pela edição desleixada, total falta de investimento nos personagens e visuais abundantemente baratos.

O único ator que impressiona muito aqui é Tony Jaa, enquanto os demais são completamente esquecíveis ou são despachados antes mesmo que se possa lembrar como são. Quanto a Jovovich, ela diz suas falas como se preferisse estar em casa e está fazendo um favor ao marido e obviamente o casal ganhou muito dinheiro com a interminável franquia de Resident Evil nos cinemas.

Monster Hunter / Sony Pictures – Foto: Divulgação

No geral, Monster Hunter não consegue ser agradável ou suportável como foi os últimos filmes de videogame de Paul WS Anderson, a produção é uma bomba desastrosa e fica a recomendação que você passe longe disso, pois é um monstro de todas as maneiras erradas.

Monster Hunter

4.5

Nota:

4.5/10

Prós

  • Tony Jaa atua super bem
  • Elenco com rostos conhecidos
  • Filme baseado em uma franquia de videogame
  • Easter-eggs da franquia de videogame

Contras

  • Mais uma produção de Paul WS Anderson
  • Milla Jovovich atua no piloto automático
  • Roteiro simples e mal desenvolvido
  • CGI
  • Coadjuvantes são bem dispensáveis no longa

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo