Crítica

PAI | Um esforço implacável para reconquistar a família (Crítica) – 44° Mostra SP

Um drama aparentemente simples que detalha um retrato complexo de uma nação, através da jornada de um homem único e determinado, Pai (Father/Otec) acompanha o personagem Nikola (vivido de forma primorosa por Goran Bogdan), que é informado que sua esposa cometeu um ato extremo de desespero para protestar contra a fome e a pobreza que estão enfrentando, ele foge de seu local de trabalho para alcançá-la, ignorando a oferta de ser levado até lá. Essa ação imediatamente encapsula seu personagem que é impulsionado por uma devoção profundamente enraizada à sua família.

Cena do filme Pai (Father/Otec) – Foto: Divulgação

É essa força interna aparentemente ilimitada que abastece sua jornada de 300 quilômetros a pé de sua empobrecida aldeia na Sérvia, onde ele parte até Belgrado para apelar de uma decisão de um serviço social corrupto que tirou seus filhos. Embora nem excruciante nem aborrecido demais, sua jornada é desoladora. Ao longo do caminho, ele enfrenta inúmeras adversidades e realidades sombrias, muitas sendo previsíveis, mas frequentemente apresentadas de maneiras inteligentes ou inesperadas. 

O escritor e diretor Srdan Golubović cria uma descrição nada sentimental, implacável e austera as medidas que esse indivíduo impotente se sente obrigado a recorrer para ser ouvido. No entanto, se as ações falam mais alto que as palavras, o que se torna indiretamente evidente é que embora ele tenha controle zero sobre o resultado de seus esforços, o que ele consegue é uma voz que não pode ser negada, bem como a força sobre-humana para perseverar na face à impossibilidade de que não importa qual seja o resultado da sua jornada.

Cena do filme Pai (Father/Otec) – Foto: Divulgação

Com lentes amplas e pacientes e push-ins quase invisíveis do diretor de fotografia, Aleksandar Ilič, o filme observa silenciosamente o mundo ao redor de Nikola enquanto ele se move por um único foco. O trabalho de Goran Bogdan é chamativo, pois o filme vive em seu rosto cansado, ombros caídos e na persistência irregular e infatigável de Nikola. Em torno disso, o personagem é retratado com uma observação amarga e conflituosa de seu país natal. 

Nikola encontra gentilezas e consideração em sua odisseia, muitas vezes daqueles que têm tão pouco ou até menos do que ele. No entanto, o pai também é vítima de ações movidas por terríveis interesses pessoais, os perpetradores apenas tentando tornar a vida um pouco mais suportável, mesmo que às custas do sofrimento de outra pessoa. Não há dúvida de que Golubović tem afeto pela Sérvia, mas ele também exige sua melhoria, algo que ele espera que possa ser encontrado por meio de pessoas como Nikola.

Cena do filme Pai (Father/Otec) – Foto: Divulgação

Um drama que surpreendentemente apresenta momentos de ternura crus e comoventes, Srdan Golubović não é tão otimista a ponto de trazer a história de Nikola a uma resolução completa. Em vez disso, a incerteza paira sobre o futuro, um sentimento que ele pode enfrentar com aceitação derrotada. Nikola raramente conheceu o conforto que vem com a confiança de que o dia seguinte trará comida na mesa, a confiabilidade do emprego ou uma mão amiga ao se deparar com outra dificuldade inesperada. Pai (Father/Otec) nos deixa como Nikola, desequilibrados, mas com a certeza de que seu espírito pode estar intacto.

*Filme assistido na 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, para mais detalhes, acesse: https://44.mostra.org/


Trailer:

Pai (Father/Otec)

8

Nota para o filme:

8.0/10

Prós

  • Boa História
  • Boa atuação de Goran Bogdan
  • Boa fotografia

Contras

  • Enredo fica um pouco arrastado e previsível no meio do filme

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: