Crítica

PARASITA | A brutalidade da sobrevivência na pirâmide social (Crítica)

Parasita (Parasite em inglês) é mais uma obra de arte onde podemos refletir muito sobre nossas vidas (pelo menos a minha eu reflito, rs!). De começo nem pesquisei sobre o filme, mas sim sobre o diretor, e particularmente eu esperava ver um filme de terror com muito sangue (que me surpreendeu…rs), que infelizmente não teve muito sangue, mas temos mortes surpreendentes (fica a dica!).

Continuando a minha viagem ao filme, e já digo – “Realmente somos um parasita!”, pois fazemos cada coisa para alcançar certos objetivos. As reflexões mais aparentes que o filme nos mostram são: – O que as pessoas são por trás da aparência? (Os riquinhos) Até que ponto elas podem chegar para alcançar novos patamares na vida ou para manter o status alcançado? Um filme que tem a assinatura de um grande realizador, o diretor Bong Joon Ho.

Toda via, ele nos apresenta uma história que não é óbvia e que tem diversos momentos surpreendentes. Além disso, Parasita se revela diferenciado ao tratar de questões sociais com uma boa dose de humor e violência. Um filme que te instiga e que fará você pensar. Roteiro envolvente, muitas passagens fotográficas de uma Coreia do Sul que muitos só imaginam em desenhos, achei o elenco muito talentoso. Explorando muito bem o ambiente da família Kim (família que tenta dar o golpe do ano) quanto o da família Park (família de ricos que seguem os padrões da Coreia), fazendo aqui o filme se destacar por esses conjuntos.

(Cena do filme ‘Parasita’ / Pandora Filmes/CJ Entertainment)

Vamos ao que interessa, falar do filme que desbancou todo mundo e levou a “Palma de Ouro”. Por indicação de um primo, Ki-woo é o primeiro da família Kim a se aproximar dos ricos da família Park. Ele logo enxerga na extravagância e no esnobismo dos Park uma chance de emplacar outras pessoas da família naquela realidade (super mega plano sinistro, tipo parasita mesmo, aquele sangue suga que nós conhecemos). Aí começa toda a incorporação da família Kim para o golpe do ano. Os primeiros são os irmãos que conseguem os seus empregos, e a família já começa a se alimentar melhor e a pagar as contas básicas da casa. A ganância acaba falando mais alto, pois eles veem nos Park a família rica perfeita para eles “darem o golpe” (justamente nesse ponto é que os Kim começam a se perder).

A parte inicial do filme é divertida ao mostrar como a família Kim consegue dar a volta por cima ao se aproximar e “conquistar” os Park. Mas numa certa noite onde os Park vão viajar para acampar os Kim invadem a casa, até o momento que o interfone toca… Ai lascou tudo!! – rsrs. Eles descobrem que a antiga governanta também dava um golpe e escondia o esposo em uma sala secreta. Ao invés de se unirem, a competição entre eles toma uma outra proporção. Parasita se transforma então como minha mãe dizia, “Um Deus nos acuda”.

Quando os Park avisam que estão voltando para casa, porque o acampamento estava alagado, toda a resolução tem que ser apressada. O desespero, com certa dose de violência, entra em cena. As escolhas dos Kim acabam levando para uma escalada de violência que termina de forma visceral. A família Kim acaba lembrando das suas dificuldades e adotam gestos desesperados. Mas não são apenas eles que se revelam um pouco diferente do que vemos inicialmente. O casal Park também não é aquela “bondade toda” ou têm toda a ingenuidade que inicialmente eles parecem demonstrar. Quando o pai bem-sucedido da família Park, o senhor Dong-ik fala do cheiro característico de Ki-taek, ele demonstra todo o seu desprezo por estas pessoas do “povo” – isso fica claro quando ele diz que o cheiro do novo motorista é como o das pessoas do metrô. Yeon-kyo também não se mostra tão boazinha e inocente ao compartilhar dos comentários do marido.

(Cena do filme ‘Parasita’ / Pandora Filmes/CJ Entertainment)

De forma inteligente, Bong Joon Ho ainda questiona e/ou brinca com um dos gêneros de terror clássicos do cinema. Para ele, fantasmas não existem. O mal está nos atos humanos, motivados por cobiça, ganância e pela loucura. O terror vem daí, assim como da falta de empatia e da incapacidade dos ricos em enxergarem o que não faz parte do seu mundo. Tudo isso com uma direção perfeita, um roteiro impecável e um elenco talentoso que fazem deste filme uma produção muito acima da média. Para não dizer que o filme é perfeito, acho que ele tem alguns exageros.

E isso ao meu ver torna o longa acima da média e que reforça o talento de Bong Joon Ho em contar histórias. O filme é envolvente, bem narrado onde mistura drama e humor antes de cair na parte mais “tenebrosa” da história, juntando tudo isso causa impacto e te faz pensar nas reações humanas. Eu gostei do filme e espero que gostem também.


Trailer:


Gostou da matéria? Então dá aquela força, comenta e compartilha com seus amigos, curta, siga e fique ligado no Protocolo XP nas redes sociais.

Protocolo XP no Facebook

Protocolo XP no Twitter

Protocolo XP no Instagram

Parasita chega aos cinemas brasileiros no dia 07 de novembro.

9.5

Nota para o filme:

9.5/10

Prós

  • Elenco
  • Roteiro
  • Direção
  • Plot twist

Contras

  • Lentidão na História

Erik Ops

Designer de interiores e especialista na área de medicina. Curto jogos retrô como Pinball e Alex Kidd. Gosto de desenhar e fazer street art. Amo muito tudo isso!!

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: