CríticaIgor

PIG | Crítica do filme

Nicolas Cage volta a velha forma em filme sobre amor e luto

Com projetos mais loucos no cinema independente atualmente, o lendário Nicolas Cage viu seus vícios o consumirem e os problemas com dinheiro o rebaixaram de uma grande estrela de Hollywood, para um ator canastrão que topa qualquer projeto por dinheiro. Em seu novo longa chamado Pig (Porco), vemos Nicolas Cage voltando a velha forma e atuando como Rob, um caçador de trufas que vive como um eremita, isolado em uma cabana em ruínas no meio da floresta ao lado de seu querido porco, a companhia do animal o afasta da solidão total. 

Pig / AI-Film (Foto: Divulgação)

Sua rotina é passar manhãs caçando entre as árvores e as tardes são dedicadas ao prazer de cozinhar, o tempo nunca é um problema, pois os legumes são picados com precisão e os temperos polvilhados com cuidado. As palavras quase não são necessárias em seu recluso e são ditas apenas no dia em que Amir (Alex Wolff), seu abastado negociante de trufas, estaciona seu Camaro amarelo na estrada não pavimentada, cheirando os preciosos cogumelos enquanto se deleita na certeza dos próximos dólares. À noite, quando a escuridão envolve o mundo de Rob, o caçador adormece, mas durante essa calmaria rotineira, o seu fiel porco é violentamente roubado, o homem vai de monge sujo para Liam Neeson e quase um John WIck cult, ao embarcar em uma busca frenética que desenterra todas as memórias que ele tão desesperadamente tentou enterrar sob o solo úmido de seu retiro. 

Há uma enorme sensação de alegria em assistir Nicolas Cage totalmente confortável e atuando em um filme feito para ele e aqui ele está no auge da velha forma que conhecemos dele, com seus olhos sempre fixos de forma maníaca e sua expressão curvada em desconfiança permanente em todas as palavras proclamadas assustadoramente lentas enquanto a câmera pousa em seu rosto ensanguentado como se nada estivesse fora do lugar. Talvez o desempenho notável do ator seja devido ao roteiro de Michael Sarnoski, que também é diretor do longa, que construiu um personagem forjado em um homem viril que é movido pela raiva, livre de grilhões sociais e acima de tudo, um cara que perdeu a única coisa que ainda tinha a perder. 

Pig / AI-Film (Foto: Divulgação)

A exploração do luto por Michael Sarnoski é construída sobre uma reflexão sobre as consequências da masculinidade tóxica quando se trata de perda é notável e em Pig, os homens são confrontados com o luto e demonstram ser incapazes de processar totalmente a dicotomia entre a necessidade de projetar força e o desejo de desmoronar completamente. Alex Wolff atua como uma contrapartida adequada para o sombrio Nicolas Cage e a verborragia impensada de seu personagem é um contraste acolhedor com o silêncio desconcertante de Rob. Ambos os comportamentos são cortinas de fumaça que falham em mascarar os problemas não processados ​​que impedem os dois homens de seguir em frente, suas ruminações sobre o passado não tanto um desejo de alimentar vingança, mas uma tentativa desesperada de agarrar algo que eles estão aterrorizados e que foi perdido para sempre. 

Através dos tons sombrios da cinematografia e do design de som silencioso e ponderado, Pig cria uma atmosfera propícia para essa jornada compartilhada de autoanálise, estando no seu melhor quando permite que os personagens simplesmente passem tempo lado a lado, encontrando clareza inesperada em conforto da união. Se alguém espera uma loucura desequilibrada sugerida pela premissa, será recebido com decepção com ritmo cadenciado do longa de 90 minutos. 

Pig / AI-Film (Foto: Divulgação)

No geral, Pig se inclina mais para a ternura da perda e se alguém entrar com a mente aberta sobre a temática irá se surpreender pela devoção demonstrada por um homem por seu porco nesta história de amor inesperadamente tocante. 

Sinopse:

Um caçador de trufas que vive sozinho no deserto do Oregon deve retornar ao seu passado em Portland em busca de sua amada porca após ela ser sequestrada.

Trailer: 

Pig

8

Nota para o filme:

8.0/10

Prós

  • Ótima atuação de Nicolas Cage
  • Boa trama que envolve amor e perdas
  • Boa direção de Michael Sarnoski
  • Design de produção e enquadramento cinematográfico imersivos

Contras

  • Trama lenta

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo