Connect with us
SANGUE DE PELICANO | Quando uma mãe não desiste da sua filha problemática (Crítica) - Protocolo XP

Crítica

SANGUE DE PELICANO | Quando uma mãe não desiste da sua filha problemática (Crítica)

Published

on

Em uma época em que os assassinatos em massa se tornaram tão prolíficos nos noticiários, uma questão se infiltrou na consciência cultural: e se  meu filho (ou, muito menos provável, filha) pegar uma arma e tirar a vida de cinco, 10, 40 pessoas? Como tal tragédia poderia ser evitada e particularmente porque essa violência se transformou em uma ocorrência aparentemente inevitável? Somente nesta era “moderna” essa questão começou a transcender durante décadas, as mães foram tratadas exclusivamente com uma hipótese semelhante, embora sua questão seja mais abrangente e assustadora. Se meu filho for um sociopata ou (pior) um psicopata? Enfrentar essa questão é olhar para um poço de desespero evidentemente sem fundo e um vazio que, uma vez percebido, não pode ser despercebido.

É assim que encontramos Wiebke em Sangue de Pelicano (Pelican Blood), o segundo longa da cineasta alemã Katrin Gebbe, que conduz a brilhante Nina Hoss, Wiebke é uma mulher solteira de meia-idade que treina cavalos para a polícia local em seu rancho, onde mora com sua filha adotiva Nicolina. Wiebke tem uma afeição distinta por cavalos problemáticos, como seu atual estagiário. A personagem é bem resolvida socialmente e portanto, não é muito surpreendente quando ela adota outra filha: uma criança de cinco anos chamada Raya, que passou por um trauma intenso quando bebê.

Cena do filme Sangue de Pelicano / A2 Filmes – Foto: Divulgação

 Raya se integra facilmente à vida de Wiebke e Nicolina no início, mas não demora muito para que ela exiba comportamentos perturbadores, incluindo aqueles associados ao conceito psiquiátrico da tríade Macdonald – fazer xixi na cama, crueldade contra animais e atear fogo. Se um sujeito exibe até mesmo dois desses comportamentos simultaneamente, acredita-se que seja um forte indicador de sociopatia ou tenha tendências homicidas. Já no caso de Raya, ela exibe todos os três e embora diagnosticada por um psiquiatra como sociopata e sem as faculdades para sentir empatia por outros seres humanos, Wiebke permanece firme em seu compromisso de criar Raya. 

Apesar de suas explosões cada vez mais violentas e de uma revelação particularmente perturbadora sobre o comportamento da garota, Wiebke se recusa a mandar Raya de volta ao orfanato, para preocupação crescente daqueles ao seu redor, incluindo um interesse amoroso nascente, que compreensivelmente teme que Wiebke esteja priorizando Raya acima de Nicolina e colocando sua vida em perigo. Embora diagnosticada por um psiquiatra como sociopata e sem as faculdades para sentir empatia por outros seres humanos, Wiebke permanece firme em seu compromisso de criar Raya. 

Cena do filme Sangue de Pelicano / A2 Filmes – Foto: Divulgação

Gebbe captura esse conflito interno com clareza impressionante e uma quantidade dolorosamente adequada de graça. O  poço aparentemente sem fundo de empatia refletido nas linhas duramente conquistadas no rosto de Nina Hoss como a personagem Wiebke é refratado nos lugares onde seu rancho empoeirado e escurecido encontra o vidro liso e superfícies de azulejos de sua casa, uma aparição progressiva aninhada em um velho oeste selvagem e acidentado. 

No geral, fica claro que não é culpa de Raya que ela seja uma sociopata violenta que pode muito bem ser incapaz de amar e emoções genuínas. Sua condição psiquiátrica não é alguma deficiência ou deficiência moral, na verdade é o fracasso daqueles ao seu redor com a capacidade de oferecer compaixão, mas que se acham incapazes da paciência necessária. O compromisso de Wiebke com seu próprio senso de empatia parece um ato de desafio. 

Cena do filme Sangue de Pelicano / A2 Filmes – Foto: Divulgação

É algo surpreendente e emocionalmente revolucionário de se observar, principalmente porque a empatia parece em nosso mundo real estar infinitamente à beira da extinção. Mesmo taxado como um filme que tenha elementos horror, o longa caminha para um drama visceralmente emocional e perturbador que trata de um horror dolorosamente exclusivo para mulheres (e mães em particular). 


Trailer:

Comente!

Sangue de Pelicano

7

Nota para o filme:

7.0/10

Prós

  • Abordagem da História
  • Direção Feminina
  • Boa atuação de Nina Hoss
  • Bom tema apresentado

Contras

  • O filme tem cenas que não se encaixam no desenvolvimento
  • longa se perde em não focar na protagonista mirim
  • Dublagem em português fraca
Comments

Críticas e Reviews

EM CARTAZ!

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: