Crítica

SONIC: O FILME | Uma aventura simples, divertida, mas repetitiva (Crítica)

Ao assistir Sonic: O Filme, é fácil sentir que você voltou para uma era diferente, mas não a década de 1990. Pelo menos não totalmente. Enquanto o filme vive uma onda de nostalgia que qualquer garoto dos anos 90 com sombras da glória do Mega Drive (Sega Genesis nos EUA) em seus bancos de memória pode reconhecer, na verdade o filme se parece mais com um filme de família dos anos 2000. Pois aqui é um esforço perfeitamente adequado que se recusa a balançar o barco ou mesmo sair da baía. Em vez disso, fica firmemente no banco dos réus, contando com piadas banais da cultura pop, uma premissa brega sobre os amados ícones da cultura pop entrando nos subúrbios por portais interdimensionais. 

Sonic: O Filme é cortado do mesmo molde suave de Garfield (2004)Alvin e os Esquilos (2007)Os Smurfs (2011), onde temos um o protagonista se envolvendo com um humano em uma viagem e um vilão caricato que está correndo atrás da querida bolinha azul de pelos. É claro que o filme ganhar um ar de diferença por termos justamente Jim Carrey como o antagonista, um grande ator que despontou sua fama nos anos 90 e ver uma estrela cômica daquela época se unindo em um futuro não tão distante em um filme tão simples como o longa da Paramount Pictures chega a ser estranho.

E percebendo que o filme não iria gerar grandes esforços, aqui Jim Carrey se sente no parque de diversões, mesmo tendo um tempo regular de tela o astro consegue improvisar e colocar o velho talento cômico para fora de uma forma bastante natural. Tudo bem que em alguns momentos ele segue os mesmo truques, podendo até ser uma emulação do seu Charada de Batman Eternamente que agora parece que ganhou apoio de ferramentas tecnológicas e mudou seu nome para Dr. Robotnik

Jim Carrey como o Dr. Robotnik em cena do longa ‘Sonic: O Filme / Paramount Pictures

Como cientista maluco, Carrey acaba cruzando o caminho com o famoso ouriço que mora em uma ilha paradisíaca digital que se parece com os palcos de Green Hills do videogame. No entanto, seu guardião, um pássaro gigante chamado Longclaw (que na narração de Sonic se refere como “meu Obi-Wan Kenobi”), aparentemente é morto por bandidos aleatórios. Antes de Longclaw morrer, ela envia Sonic para a Terra com anéis mágicos. Assim, ele cresce morando em Green Hills, Montana, uma pequena cidade onde o personagem joga beisebol sozinho, lê os quadrinhos do Flash em uma caverna escondida e espia as atividades diárias dos habitantes da cidade.

O xerife local Tom Wachowski (James Marsden) está alheio à existência de Sonic, assim como todo mundo na cidade, exceto um velho maluco que chama Sonic de “Diabo Azul”. De fato, Tom planeja sair de casa e se mudar com sua esposa Maddie (Tika Sumpter) para São Francisco, onde ele pode trabalhar como policial com um dia-a-dia mais emocionante. Mas as coisas se animam rapidamente quando Sonic inadvertidamente chama a atenção do governo dos EUA para Green Hills que convoca a ajuda do gênio louco da ciência, Dr. Robotnik. Com o exército de robôs drones e gritos estridentes de Carrey, Sonic precisa sair do esconderijo e se unir a Tom para fazer uma road trip por razões que se tornam saídas fáceis e preguiçosas do roteiro.

Para o crédito do filme, as crianças provavelmente não perceberão o prosaísmo do roteiro e os nostálgicos dos anos 90 serão bem atendidos. Depois de sofrer um atraso de quatro meses para mudar o modelo de personagem do Sonic, no qual era um pesadelo CGI, para algo que realmente se assemelha ao personagem de videogame da Sega, a Paramount Pictures foi recompensada com um filme do Sonic parecido com o clássico game Sonic the Hedgehog. Os fãs do personagem ficarão satisfeitos com isso, assim como os poucos vislumbres que vemos do mundo natal de Sonic ao se defrontar com o Dr. Robotnik no terceiro ato. Ben Schwartz também canaliza o bom humor do ouriço azul com atitude em sua performance vocal, embora ele seja menos durão aqui e mais um órfão que procura pais substitutos.

Sonic (voz de Ben Schwartz) em cena do longa ‘Sonic: O Filme / Paramount Pictures

No entanto, esses elementos simplesmente destacam o quão melhor Sonic: O Filme teria funcionado como um filme de animação real, em oposição a este mais recente e comum live-action. Os poucos momentos de inspiração genuína tornam o resto da preguiça do filme ainda mais perturbador e impedem que o personagem titular do filme seja melhor do que um meme tridimensional que jorra referências à cultura pop destinadas a manter os pais acordados.

Jogando contra o peso de papel digital, Marsden faz um trabalho aceitável. Tendo alguma experiência em atuar com personagens de computação gráfica em entretenimentos inócuos, ele tem uma facilidade natural com o personagem Sonic e fornece um bom papel para Carrey nas poucas cenas juntos, sugerindo que os hiper espasmos de Carrey poderiam ter funcionado melhor se alguém estivesse lá para exorcizar seus piores impulsos. 

No entanto, em última análise, Sonic parece mais datado e deprimente com sua dependência da estética de super-heróis. De fato, os grandes momentos de Sonic são todas as variações da “cena do Mercúrio” dos filmes dos X-Men da Fox. Portanto, Sonic: O Filme é um entretenimento que serve para uma tarde vazia para se divertir com a família e ver o tempo passar. 


Trailer:

Sonic: O Filme

6

Nota para o filme:

6.0/10

Prós

  • Bom elenco
  • Easter-eggs do jogo do Sonic
  • Ótima atuação de Jim Carrey como o vilão
  • 'Cena do Mércurio' dos X-Men
  • Filme família

Contras

  • História simples
  • Roteiro cheio de furos e saídas fáceis
  • Filme segue o mesmo ritmo de sucessos infantis com protagonistas em CGI

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: