Crítica

TITANS | As coisas estão “Mutano” para pior ou melhor? – Episódio #09: Atonement (Crítica da 2º Temporada)

Neste nono episódio de Titans, os produtores resolveram apostar em formula em que eles já trabalharam com todos os personagens nesta temporada, tivemos mais uma separação que enviou nossos heróis para caminhos separados.

Após a revelação de como Jericó realmente morreu, revelado no episódio anterior, ninguém sentiu novamente confiança em Dick (Brenton Thwaites) e, portanto, todos os Titãs antigos e novos entraram em um táxi e o deixaram. Embora que de certa forma faça sentido que todos se sintam traídos por seu amigo e líder, parece uma vergonha para a narrativa escolher separar o time novamente. E isso nos passa uma dúvida cruel em saber se o show está forçando isso para o melhor desenvolvimento ou será que pegou o caminho perigoso de insistir em uma trama ruim. Pois Apesar do trabalho que vimos Dick fazer com Rachel (Teagan Croft) e Jason (Curran Walters) por exemplo, nenhum deles escolheu ficar ao seu lado. Até Kory (Anna Diop) o deixou para trás.

Parece que a narrativa está dando um empurrão final em direção à sua transformação em Asa Noturna, mas infelizmente, não sabemos quando irá realmente acontecer. Depois que esse jogo da equipe se unir e se separar em várias ocasiões, eu estou curioso para saber o que poderá reuni-los novamente. De um modo geral, muita coisa aconteceu em “Atonement” para resumi-lo só na separação dos Titãs outras vez, aqui temos um episódio alegre e que nos traz átona um personagem que pode ser bem interessante, um não, mas dois. Pois finalmente uma luz brilha sobre Ryan Potter como Mutano, enquanto ele fica sozinho com o inconsciente Conner (Joshua Orpin) na Torre dos Titãs

Embora não seja o único foco do episódio, ele ainda traz grande leveza, pois o vemos acordando apenas no primeiro dia e começa sua aventura como rei da Torre. Ainda mais hilário é a rapidez com que ele se cansa da situação. Potter atua bem nas suas cenas, provando o quão criminosamente subutilizado o personagem tem sido até agora nesta temporada. Embora ele esteja sempre em segundo plano, esta é a primeira vez que a história o serve bem. Com Conner acordando de seu coma, Joshua Orpin recebe um ótimo material neste episódio. A relação entre Conner e Gar funciona bem na tela e a ingenuidade de Conner complementa bem a energia juvenil de Gar e faz com que os espectadores assistam com entusiasmo os personagens jogando alguns games de computador.

Quando os dois se aventuram do lado de fora da torre, as coisas não vão muito bem e fiquei surpreso com a reação de Gar nesta situação. Isso apresentou ao personagem um desafio em que ele poderia ter se adiantado e, dado que Dick o deixou no comando, foi uma pena que ele escolheu virar e correr. Gar certamente teve alguns contratempos nesta temporada e será interessante, já que esse episódio acabou sendo um desafio para vermos se ele era capaz de conseguir resolver algum problema sério de forma rápida e sem ajuda de Dick

Outra coisa que chamou atenção foi a decisão do roteiro em colocar Conner como um personagem vilanesco para o povo de São Francisco. Suas ações fazem sentido, dada a natureza infantil do personagem, mas ainda não está claro como os escritores serão capazes de resgatar seu personagem e torná-lo um herói no futuro. Com a separação dos Titãs e o problema de Gar com Conner, este episódio conseguiu trabalhar em outra subtrama bem interessante, aqui acabamos vendo Kory se encontrando com sua irmã Estrela Negra (atriz convidada Damaris Lewis). Ele adiciona mais contexto às origens alienígenas de Kory e isso está sendo contado para nós como uma história de interesse social muito interessante. Embora seja improvável que isso aconteça, eu gostaria que a série levasse Kory para visitar o seu mundo para restaurar o equilíbrio dos problemas de Tamaran

Tivemos também tempo para vermos Hank (Alan Ritchson) e Dawn (Mika Kelly) voltando para Wyoming para pegarem os pedaços da vida que deixaram para trás quando o Doutor Luz os achou no início da temporada. Isso leva a um momento musical interessante para Titãs e me pergunto se este é o começo do fim para esses dois, ou se é o fim somente para Hank. Voltar ao Wyoming parece uma escolha estranha para os dois que estão tentando escapar de seus demônios. Correndo de volta para onde eles tinham uma vida mais feliz faria sentido se não fosse pelo fato de ter sido destruída pelo Doutor Luz, que matou seu amigo Ellis no processo. Parecia inevitável que isso lhes causasse mais problemas, mas eu me pergunto como a ameaça da irmã drogada do menino morto acabou sendo um enorme incomodo para eles.

No final tivemos também algo bem interessante, aqui temos um Dick Grayson quebrado e ele parece estar procurando readequar seus demônios internos. Ele visita Adeline (Mayko Nguyen) para se desculpar pela morte de Jericó. É claro que a conversa não segue o plano e fiquei genuinamente surpreso com a forma como a personagem dela foi escrita neste episódio. Foi revigorante vê-la reagindo diferente, obviamente ela ainda quebrada pela perda de seu e as desculpas de Dick não sensibilizaram facilmente a personagem. Grayson não é o único a se culpar pela morte de Jericó e faz sentido que ela aceite as desculpas e até o culpe igualmente por sua participação nesta tragédia.

Quando se percebe que o Exterminador (Esai Morales) também está na casa, Dick o confronta em uma cena muito fora do comum, que parece um pouco fora de caráter para ambos. Isso nos leva para um cliffhanger que também parece ser fora de contexto para Dick, o que nos aponta para uma teoria que pode estar se tornando verdadeira.

Ao tomar o golpe mortal Jericó pode ter liberado seu espírito do bem, seria muito interessante que ele possa ter usado seus poderes enquanto ela morria. Não sabemos se este espirito se dividiu entre Slade e Dick, mas quando este episódio chega ao fim, é Dick quem assume uma postura estranha e age de uma forma no qual ele finalmente encontrou as respostas pelos quais ele queria. Será que Jericó está forçando seus assassinos a pagarem seus pecados? Isso será interessante saber nos próximos episódios.


Nota para o episódio: 3 / 5


Leia mais sobre Titans


Leia as críticas da segunda temporada:

TITANS | Primeiras impressões do retorno da segunda temporada – Episódio #01: Trigon (Crítica da 2ª Temporada)

TITANS | A “Luz” é “Devastadora”! Episódio #02: Rose (Crítica da 2ª Temporada)

TITANS | Traumas e imaturidade! Episódio #03: Ghosts (Crítica da 2ª Temporada)

TITANS | Um “breve” passado alegre – Episódio #04: Aqualad (Crítica da 2ª Temporada)

TITANS | Slade! Uma ameaça letal! – Episódio #05: Deathstroke (Crítica da 2ª Temporada)

TITANS | A poderosa experiência de dois mundos! – Episódio #06: Conner (Crítica da 2ª Temporada)

TITANS | Assombrando uma consciência pesada – Episódio #07: Bruce Wayne (Crítica da 2º Temporada)

TITANS | Finalmente o passado foi esclarecido! – Episódio #08: Jericho (Crítica da 2º Temporada)


Leia as críticas da primeira temporada


Gostou da matéria? Então dá aquela força, comenta e compartilha com seus amigos, curta, siga e fique ligado no Protocolo XP nas redes sociais.

Protocolo XP no Facebook

Protocolo XP no Twitter

Protocolo XP no Instagram

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: