Connect with us
UM DIA DE CHUVA EM NOVA YORK | Um compilado preguiçoso da filmografia de Woody Allen (Crítica) - Protocolo XP

Crítica

UM DIA DE CHUVA EM NOVA YORK | Um compilado preguiçoso da filmografia de Woody Allen (Crítica)

Published

on

Quando eu comecei a me interessar por cinema, certamente ver filmes de Truffaut, Hitchcock, Scorsese, Fellini, Kubrick, Kurosawa, Bergman e Woody Allen me fizeram a ter uma visão apurada de como uma história e uma câmera deve ser conduzida para que o público apure de forma serena a sétima arte.

Mesmo envolvido em polêmicas, Allen sempre se tornou notável por misturar o clássico com o novo e percebi que esta fase estava indo embora e suas limitações como pessoa e artista estavam gradualmente dominando seu trabalho, nunca pensei que eu iria ver um filme dele reciclando fórmulas que foram bem aceitas e ideias criticadas em uma condução que acaba caindo na trivialidade como o recente “Um Dia de Chuva em Nova York”.

Aqui o diretor de 83 anos, continua trazendo um compilado preguiçoso de suas produções antecessores, quando o mundo do cinema vê o nome de Allen em uma produção, nós queremos e esperamos algo deslumbrante e não filmes que causam frustração devido à lacuna entre uma intenção impetuosa e sua realização malfeita.

Este seu último filme chega na temporada sem agitar os cinéfilos com algo deslumbroso, uma pena, pois o cineasta continua atraindo grandes estrelas que querem aprender com este cansado, mas notável diretor. Este inédito longa mostra dois jovens ricos em seus anos de formação numa universidade liberal de artes. Gatsby Welles, interpretado brilhantemente por Timothée Chalamet (um dos melhores atores da atualidade e da nova geração), atua como um rapaz com um tipo sensível e intelectual, um chanceler sem leme, que vive contente em ganhar a vida com jogos de pôquer. Sua namorada da faculdade, Ashley Enreight, feita por Elle Fanning, que faz o papel da garota cômica do interior, que tem sentimentos adjacentes por Gatsby e nutre ambições jornalísticas para crescer na vida. 

Timothée Chalamet e Elle Fanning em cena do filme “Um Dia de Chuva em Nova York” / Imagem Filmes

Com essa premissa atenuada pela juventude sincera e pelo amor mútuo dos clássicos do cinema norte-americano, o longa nos mostra logo de cara uma paixão fofa que leva o casal a finalmente passar um fim de semana romântico em Nova York, mas o filme nos revela logo em seguida que o motivo principal desta viagem é que Ashley é encarregada de entrevistar um famoso cineasta, interpretado por Liev Schreiber, para o jornal da faculdade.

Com a premissa mais clara e definida, o cenário para as odisseias por meio de uma Nova York nos mostra como cada canto da cidade que não dorme é distinto, pois os personagens logo são separados e os planos dão errado. Gatsby vem de uma família rica com velhos e tradicionais costumes de Nova York e ele está desesperado para demonstrar suas autênticas credenciais nova-iorquinas através de uma excursão pelos bares e pontos meditativos do Central Park. Enquanto isso, sem sucesso, evita seu compromisso de assistir ao “baile de outono” de sua mãe com amigos igualmente ricos.

Este mundo enclausurado e com candelabros é jogado em forte contraste com as rápidas aventuras em tela prateada de Ashley. Roteiristas, astros de cinema e paparazzi se movem por um estágio diferente dos modernos apartamentos de dois andares e festas da moda, com o neuroticismo frenético dos recém-criados. Juntos, as duas configurações são claramente não relacionadas a um espectador comum e fiquei imaginando para quem exatamente esse filme foi feito, se não apenas para o próprio Woody Allen

Cena do filme “Um Dia de Chuva em Nova York” / Imagem Filmes

A história de um romance universitário em desenvolvimento é mais compreensível, mas um fio meta-referencial igualmente autoindulgente percorre o filme. Os personagens discutem clichês de filmes de Nova York enquanto vivem clichês de filmes de Nova York, um eterno paradoxo. Há uma sensação de que essas cenas são interpretadas de maneira irônica, mas a distinta falta de ironia desmente esse objetivo. Da mesma forma, o diálogo é tumultuado com a grande maioria das linhas de discussão caindo. O cenário do cinema dá espaço para paródia e praticamente toda figura masculina pode ser interpretada como um reflexo de Allen e de suas inseguranças.

Há uma tentativa de desconstruir a ideia da ‘musa’, quando as figuras masculinas um tanto patéticas são mostradas bajulando a não tão ingênua Ashley. Isso torna a visualização desconfortável, considerando as inspirações femininas reconhecidas em toda a filmografia de Allen contra o pano de fundo de sua própria conduta sexual. Parece uma espécie de autodefesa ao destacar o absurdo de como ele fazia parte de um grupo de cineastas lascivos, e agora ele está se libertando e se absolvendo de suas próprias alegações. 

Pelo menos Allen acerta na trilha sonora, o som de piano com uma leve batida de jazz combinam com os nuances tímidos de Nova York, fora ainda que para sorte as performances são incríveis, com Chalamet e Fanning adicionando carisma juvenil ao roteiro morno e preguiçoso do cineasta que finaliza o filme com uma solução extremamente rasa e vazia. O elenco estelar de apoio (Jude Law, Diego Luna e Rebecca Hall) acaba funcionando em algumas ligações da trama, mas o pouco tempo de tela acaba inibindo um maior desenvolvimento da história e de seus personagens, pois até a mudança de Selena Gomez como irmã mais nova da ex-namorada de Gatsby também é parte integrante, embora não seja convincente. 

Timothée Chalamet e Selena Gomez em cena do filme “Um Dia de Chuva em Nova York” / Imagem Filmes

“Um Dia de Chuva em Nova York” é um longa tão anacrônico que seu próprio anacronismo poderia ter proporcionado algum grau de charme. Entretanto, o filme falha nesse ponto e o resultado nos mostra que Woody Allen está preso em mundo que não avançou, ele repete os mesmos truques e isso nos revela como ele está se mostrando cada vez mais cansado, o que é uma pena, pois com este gênio devemos estar sempre inclinados na ética para ‘separar a arte do artista’ e quando sua produção criativa começa a ficar tão obsoleta, podemos usar como muleta que o tempo dele em frente uma câmera realmente está acabando.


Trailer:

Comente!

4.5

Nota para o filme:

4.5/10

Prós

  • Timothée Chalamet
  • Trilha Sonora
  • Cenas cômicas

Contras

  • História Lenta
  • Reciclagem de tramas
  • Plot twist mal feito
  • Clichês
  • Elenco de apoio com poucas participações
Comments

Críticas e Reviews

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: