Connect with us
WATCHMEN | As pessoas que usam máscaras são motivadas por traumas - Episódio #07: An Almost Religious Awe (Crítica) - Protocolo XP

Crítica

WATCHMEN | As pessoas que usam máscaras são motivadas por traumas – Episódio #07: An Almost Religious Awe (Crítica)

Published

on

“As pessoas que usam máscaras são motivadas por traumas.”

A agente Laurie Blake gosta de dizer isso e até agora, ela parece estar batendo 100% com essa teoria. Angela Abar, Wade Tillman, Will Reeves e até a própria Laurie claramente usavam máscaras para se esconder da própria dor. Mesmo o Red Scare está, sem dúvida, lidando com alguns problemas profundo, dado que ele come Cheetos com um garfo, parecendo um sociopata absoluto.

Laurie Blake (Jean Smart) sendo interrogada pela Sétima Kavalaria/Ordem do Ciclope – Watchmen / HBO & DC Entertainment

Mas se as pessoas que usam máscaras são movidas por traumas, por que diabos são as pessoas que usam distintivos? No meio do episódio 7 de Watchmen, Angela Abar recebe seu primeiro distintivo da polícia. Não é o distintivo da polícia que ela ganhará um dia como detetive no Departamento de Polícia de Tulsa, mas em vez disso, este distintivo diz Departamento de Polícia de Saigon, no Vietnã. Ele foi dado para uma jovem Angela por uma policial vietnamita por ser uma garotinha corajosa, pois ela expressa o desejo de ouvir uma bala entrar no crânio do homem que ajudou a assassinar seus pais. Quando Angela estende a mão para tocar no distintivo, sua memória do evento, agora corrompida e emendada com a história de seu avô, exibe três distintivos diferentes de uma só vez: o distintivo de Saigon, o distintivo de Will Reeves do Departamento de Polícia de Nova York,  e o distintivo manchado de sangue do Departamento de Polícia de Tulsa, de Judd Crawford.

Através do tempo, através do espaço, através de tudo, o uniforme que uma mulher veste (ou o distintivo que ela segura) a muda. Muitas vezes, para pior. Nestes sete episódios de Watchmen, a série permanece notavelmente comprometida com seus temas, mesmo em episódios “lentos”. E sim, apesar do circo mais louco de Adrian Veidt, uma reviravolta alucinante no terceiro ato e uma explosão real nos revela de alguma forma que o episódio pode não ser o mais surpreendente de Watchmen até agora, dado pelo o que o final da temporada nos espera.

Senador Joe Keene (James Wolk) interrogando Laurie Blake na base da Sétima Kavalaria/Ordem do Ciclope – Watchmen / HBO & DC Entertainment

Laurie até se vê exausta por sua própria trama em um ponto. Depois que ela descobre a conexão A Ordem do Ciclope e a Sétima Kavalaria, graças às divagações inconscientes de Angela, ela visita a viúva Jane Crawford. Laurie recebe um monólogo de vilão de Jane muito mais rápido do que ela espera e uma porta de alçapão acaba se abrindo. Ela cai e se vê amarrada a uma cadeira na sede da Sétima Kavalaria, ela simplesmente não consegue suportar outro monólogo de vilão de Joe Keene e se diz cansada de toda está tolice, uma cena bem irônica.

Joe responde com algo exponencialmente mais tolo do que qualquer coisa que Laurie tenha experimentado até agora.

“Você está errada sobre o Ciclope. Nós não somos racistas. As balanças caíram muito e é extremamente difícil ser um homem branco na América neste momento. Então, estou pensando em tentar ser o azul.”

Neste momento com a revelação do plano, Laurie e o espectador ficam em silêncio e aqui alguns elementos adicionais do plano de Keene / A Sétima Kavalaria / Ciclope acabam entrando em grande foco, pois Lauire viveu uma aventura de espião para que ela e o público obtivessem essas respostas que estão perfeitamente de acordo com as raízes carnudas de Watchmen. 

Por mais divertido que seja a tolice, às vezes, o problema é que “An Almost Religious Awe” (frase do Doutor Manhattan na HQ quando ele estava atacando o Vietnã) nos apresentou uma parte estranha da temporada. As cenas de Veidt ao longo da temporada muitas vezes adquiriram uma qualidade estranha de Looney Tunes, mas nenhuma foi tão caricatural ou satisfatória do que seu julgamento neste capítulo.

Para começar, vamos tirar um momento para refletir sobre como Jeremy Irons parece perfeito com aquela roupa de Ozymandias. A visão do homem mais inteligente do mundo, que está velho, arrasado, desanimado e ainda adornado de roxo e ouros brilhantes é apenas uma imagem maravilhosa. Os detalhes de seu julgamento, povoado inteiramente por uma variedade de Philips e Crookshanks, soa de forma comicamente trágica, ao lembrarmos de como é a forma de defesa de Veidt. Quando o juiz Game Warden traz os únicos seres que ele considera serem os colegas de Adrian, um esquadrão de porcos aparece, em um julgamento totalmente estranho. No final tudo aquilo muda para uma estranha tristeza e uma única lágrima escorre pela bochecha de Adrian enquanto o grupo grita alegremente “culpado” para ele.

Adrian Veidt/Ozymandias (Jeremy Irons) sendo julgado – Watchmen / HBO & DC Entertainment

Adrian Veidt é culpado de muitas coisas para ficar claro, mas o que ele é acusado aqui é o menor de seus crimes. Ele parece querer apenas ir para casa, como qualquer pessoa que estaria em outro lugar e cercada por clones de cérebro simples. É para isso que servem as lágrimas, simples frustração? Ou a enormidade de suas ações finalmente o alcança? Como todas as cenas da Veidt até agora, não há respostas conclusivas e pelo menos essa cena com Veidt é de longe a mais divertida até agora.

Apesar dos fascinantes encontros com Laurie e Adrian, as lutas e os flashbacks pós-nostalgia de Angela no Vietnã compõem a maior parte do episódio. Você tem que apreciar o quão enfaticamente o episódio mostra que o que Angela fez ao tomar essas pílulas era extremamente perigoso. Os personagens podem dizer “nunca tire a nostalgia de outra pessoa” tudo o que quiserem, mas até sermos tratados com os efeitos posteriores, é uma ameaça vazia. Obviamente, Angela Abar nunca iria morrer de overdose por nostalgia dois episódios antes do final, mas pelo menos “An Almost Religious Awe” a mantém acalmada por metade de seu tempo de execução.

Lady Trieu até revela que já passou pelo tutorial de desintoxicação da Nostalgia cinco vezes, mas a memória quebrada de Angela simplesmente não consegue se apegar à interação. Esse ponto é martelado ainda mais espetacularmente quando Angela bisbilhota e se depara com um elefante em uma sala. Angela não está ligada ao avô como ela supunha, mas sim um paquiderme enorme e sedado. Isso só faz sentido, pois o dano no cérebro de Angela requer uma solução literalmente grande. Eles sempre dizem que os elefantes têm uma ótima memória.

Obviamente, a breve linha lateral física de Angela também permite ao programa uma desculpa conveniente para invadir seu próprio espaço cerebral, sem que se sinta redundante após a história de Will Reeves. Os flashbacks da época de Angela quando criança no Vietnã são como qualquer outra permanência no passado nesta produção excelente. Para uma série que vê a nostalgia como um conceito perigoso, a ponto de apresentar uma representação tangível e perigosa, Watchmen certamente se sobressai ao lidar com o passado.

As cenas de abertura do episódio mais uma vez efetivamente preenchem os detalhes deste mundo. Pela primeira vez na série, vemos o Vietnã em seus primeiros dias como um estado americano e é um estudo de contrastes. Os cidadãos vietnamitas realmente parecem gostar da folia com a vitória dos EUA e a iconografia do Doutor Manhattan está em todo lugar. O deus azul aparece em um filme VHS em uma loja de filmes, como uma máscara e o mais emocionante: um fantoche (“Somos todos fantoches, Laurie. Sou apenas um fantoche que pode ver as cordas”). Mas há uma escuridão por baixo de tudo. O Vietnã pode ser tecnicamente um estado, mas soldados como o pai de Angela permanecem nas ruas como um lembrete amigável de que este é um território ocupado. Naturalmente, isso leva ao terrorismo doméstico, que por sua vez acaba deixando Angela órfã.

A jovem Angela Abar (Faithe Herman) no Vietnã – Watchmen / HBO & DC Entertainment

Se as máscaras escondem traumas e os uniformes mudam as pessoas, Angela Abar teve sua máscara e uniforme escolhidos a partir da perda de seus pais. Quando a sua avó chega para levá-la para casa, Angela mostra orgulhosamente suas duas posses: o distintivo da polícia e uma cópia em VHS do filme da Sister Night. Quando a avó de Angela morre repentinamente logo antes de poder levá-la de volta a Tulsa, tudo o que lhe resta agora é o distintivo e a fita. A história da vida da jovem Angela termina aí, mas não é difícil imaginá-la sentada e estufada com esses dois itens, adotando a máscara usando um uniforme de policial até os dias atuais, quando ela está conversando com Lady Trieu.

Falando em Lady Trieu, ela consegue o maior tempo de exibição da temporada até aqui e Hong Chau e os escritores aproveitam ao máximo. É um pouco frustrante ainda não conhecer toda a extensão do plano de Trieu, mas sua afirmação de que ela “salvará o mundo” é um começo. Trieu diz a Angela, a mesma mulher que apenas experimentou muitas décadas da vida de seu avô, que Bian não é realmente sua filha, mas um clone de sua mãe. O gotejamento intravenoso de lembranças que ela está recebendo à noite são suas próprias memórias. Trieu está prestes a fazer algo enorme e, quando o faz, quer sua mãe lá. Quando Trieu faz um discurso para comemorar a última hora antes do relógio ser lançado (merda, isso veio rápido), ela fala sobre o que considera ser seu único fracasso: Nostalgia. E ela culpa a aplicação incorreta da droga e não a existência dela.

Ainda assim, se alguém em Watchmen tem “as respostas”, Lady Trieu é a melhor candidata. Como Angela logo descobre após seu encontro com o elefante, Trieu teve acesso a todo esse tempo em todas as confissões ao deus azul vindas do mundo. Descobrimos logo em seguida que o Doutor Manhattan realmente não está em Marte, mas sim em Tulsa, dentro do corpo de outro rosto familiar.

Cenas de destaque do episódio 07, “An Almost Religious Awe” – Watchmen / HBO & DC Entertainment

Cal Abar como Doutor Manhattan é sem dúvida a revelação mais intensa até agora. A ideia de que Jon Osterman, também conhecido como Doutor Manhattan, vive como Calvin Abar ao usá-lo como um uniforme é algo realmente fascinante. As implicações futuras dessa revelação são imensas e positivamente repletas de possibilidades. As respostas para as perguntas que se seguem à revelação de Manhattan podem, em última análise, Watchmen acaba se tornando uma série de TV mais temática ao levantar a ideia atraente de que nosso deus azul abandonou seus fiéis. 

Falta pouco para entendermos tudo isso e os porquês que Damon Lindelof colocou em nossas mentes faz parte do jogo de desenvolvimento das histórias dele, e isso que Watchmen está fazendo agora é genial, pois através de sete episódios, a série se provou ser um mestre absoluto de montagem e entrega. A série está que nem o relógio do milênio, falta pouco para acabar e mudar tudo?


Leia a crítica dos episódios anteriores da primeira temporada:

WATCHMEN | Primeiras impressões da nova série da HBO – Episódio #01 (Pilot): It’s Summer and We’re Running Out of Ice (Crítica)

WATCHMEN | Caçada pela verdade em meio a uma vasta e insidiosa conspiração – Episódio #02: Martial Feats of Comanche Horsemanship (Crítica)

WATCHMEN | Eu tenho uma piada. Me interrompa se você já ouviu essa…– Episódio #03: She Was Killed by Space Junk (Crítica)

WATCHMEN | O legado não está na terra, mas no sangue – Episódio #04: If You Don’t Like My Story, Write Your Own (Crítica)

WATCHMEN | As respostas são espelhadas sem medo – Episódio #05: Little Fear of Lightning (Crítica)

WATCHMEN | ‘Nostalgia’ extraordinária! – Episódio #06: This Extraordinary Being (Crítica)


Confira a promo do episódio 08, intitulado A God Walks Into Abar“: 

Comente!

Watchmen - 1ª Temporada

10

Nota para o episódio:

10.0/10

Prós

  • Elenco
  • História e Ambientação
  • Personagens
  • Roteiro e Produção
  • Plot twist com o Doutor Manhattan
Comments

Críticas e Reviews

EM CARTAZ!

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: