Connect with us
WATCHMEN | Caçada pela verdade em meio a uma vasta e insidiosa conspiração – Episódio #02: Martial Feats of Comanche Horsemanship (Crítica) - Protocolo XP

Crítica

WATCHMEN | Caçada pela verdade em meio a uma vasta e insidiosa conspiração – Episódio #02: Martial Feats of Comanche Horsemanship (Crítica)

Published

on

Watchmen é a “caixa misteriosa” que J.J. Abrams sempre falou. Na época em que Abrams e o showrunner de Watchmen, Damon Lindelof, desenvolveram Lost juntos para a ABC, a reputação de Abrams por um estilo de narrativa de “caixa misteriosa” se prendeu a Lindelof na consciência pública. Isso não é necessariamente uma maldição para Lindelof, pois há pessoas muito piores para associar a sua marca de narrativa do que Abrams. Isso não significa que a marca de Lindelof como o cara misterioso se encaixa perfeitamente.

Lost certamente tinha um mistério em jogo, dezenas deles de fato, mas o programa sob a administração de Lindelof e Carlton Cuse estava tão interessado nos problemas do pai de Jack e nas habilidades de golfe de Hurley. O acompanhamento de Lindelof em The Leftovers acabou dando um passo adiante. O show foi inflexível e o mistério da partida súbita nunca seria resolvido. O objetivo do programa, tanto para os personagens quanto para os espectadores, é que precisamos aprender a viver sem respostas. Se a vida não pode nos dar respostas, um programa de TV com certeza também não pode. A música-tema da segunda temporada da série The Leftovers pareceu zombar gentilmente do próprio conceito de narrativa de caixa misteriosa com um toque folclórico de “deixe o mistério acontecer”.

Agora, aqui estão dois episódios de Watchmen e o mito da narrativa da caixa de misteriosa é imposto por Damon Lindelof mais uma vez e essa narrativa demorou tempo suficiente para que os eventos se tornem realidade. Os vigias parecem estar “preocupados” com muitas coisas: a natureza mutável do passado e a vergonhosa história racista em Tulsa é algo que ainda pulsa na tela. Mas em termos puramente mecânicos, isso é um mistério. Há uma caixa misteriosa por lá, e esperamos no final desses nove episódios abri-la. A longo prazo, isso pode fazer com que episódios como Martial Feats of Comanche Horsemanship (Feitos Marciais da Cavalaria Comanche) sejam essenciais para uma reflexão, o tornando uma eficiente máquina narrativa de distribuição de dopamina.

Em algum momento durante as “façanhas conjugais da equitação de Comanche” (assim chamada a pintura na residência de Crawford), percebemos que as “façanhas marciais” parecem serem menos coesas e completam a história de estreia de Watchmen. Em todas essas pequenas cenas, temos momentos perfeitamente intrigantes que irradiam com a alegria da descoberta.

Mais uma vez, Watchmen se abre com um prólogo desconcertante para o passado distante. Um oficial alemão da Primeira Guerra Mundial pede a datilógrafa Fraulein Mueller escrever uma carta porque ela sabe inglês. Ele imediatamente dita uma mensagem aos soldados americanos negros no campo europeu.

“Olá meninos. O que vocês estão fazendo aqui? Os alemães já fizeram algum mal a vocês? Mas eu pergunto a vocês, rapazes, o que é democracia? Vocês gozam dos mesmos direitos que os brancos na América?”

Como uma punhalada no peito, o programa responde quase que imediatamente a essa pergunta quando um soldado americano branco cospe no pai do homem que logo descobrimos se chama Will (Louis Gossett Jr.).

O pai de Will era um soldado na Europa e levou para casa um daqueles panfletos alemães sobre os quais ele escreveria “Cuide desse garoto”. A cena se funde brilhantemente no presente em que Angela deve lidar não apenas com a morte repentina de seu amigo Judd Crawford, mas também a aparência igualmente repentina deste homem antigo. Angela não entende quando adivinha que ele tem 90 anos, mas ele realmente tem 105 anos. Angela leva Will para os fundos da sua loja fechada onde ela o algema a uma vara.

Este segundo episódio se dá muito bem com suas cenas de flashback. Muitos flashbacks correm o risco de interromper o ritmo da história, mas, ao mesmo tempo, a narrativa não linear sempre foi parte integrante da experiência de Watchmen. É difícil articular completamente a história de um mundo tão grande e ricamente realizado sem alguma manipulação do relógio. O flashback da Primeira Guerra Mundial define o tom do episódio lindamente e, em seguida, outro flashback mais recente ajuda a fazer mais sentido o atual estado político.

Então, a Noite Branca foi bem brutal, né? Agora parece claro por que o Departamento de Polícia de Tulsa tem o nome de Noite Branca. Não é apenas uma espécie de perversão atrevida de um conceito racista, mas a Sétima Kavalaria decretou seu plano horrível logo no início da meia-noite do Natal. Angela e Cal estão dançando na sala de estar quando bandidos com a máscara de Rorschach entram e os atacam. Angela leva um tiro e perde a consciência. Quando ela chega, é Judd quem a recebe no hospital.

Esse não é apenas o começo da amizade de Angela e Judd, é o começo de … bem, tudo para Angela. Poucos policiais sobreviveram ao massacre e cabe a Judd e Angela reconstruírem o departamento. A Noite Branca também é o pontapé de como Cal e Angela adotam Topher, Rosie e Emma. Seu pai (e parceiro de Angela) Doyle foi morto e sua mãe ficou traumatizada durante o ataque em sua casa. O avô das crianças, interpretado por Jim Beaver, é extremamente super qualificado, mas está descontente com a situação atual e até zomba de forma racista ao chantagear Angela para que ela dê dinheiro pra ele.

É incrível a maneira pela qual Watchmen é capaz de descobrir histórias úteis de maneira tão eficiente. A dificuldade de sincronizar tudo isso é alta, dada a estranheza e a história estrangeira deste mundo. Mas Watchmen não só é capaz de fazer tudo isso com maestria, mas também de uma maneira que se encaixa em sua narrativa de caixa misteriosa. Sim, toda cena é um pequeno presente.

(Cena da série ‘Watchmen’ / HBO & DC Entertainment)

Esta versão de Watchmen não possui evidências baseadas na história de Contos do Cargueiro Negro, mas possui Jeremy Irons vivendo dentro do que parece ser um episódio vitoriano de Looney Tunes. A saga de Jeremy (quase certamente Adrian Veidt) Irons provavelmente se cruzará com a história principal. O Filho do Relojoeiro é uma peça de teatro infernal. Talvez Veidt seja tão dedicado à verdade nas histórias que o Sr. Philips seja incinerado até a morte ao interpretar a fatídica viagem de Jon Osterman de volta ao laboratório de partículas para recuperar o relógio. A peça não apenas serve como uma introdução útil ao folclore de Watchmen para os não iniciados, mas também confirma de uma vez por todas que há algo muito estranho no mundo de Veidt que está muito errado.

Aparentemente, Philips e Crookshanks são clones. Quando o Sr. Philips tem um triste fim, outro servidor idêntico começa a assumir o papel. Como grande parte do restante de Watchmen até agora, é difícil julgar completamente o que o programa está fazendo aqui, porque ainda não sabemos os detalhes. O conceito é infalivelmente legal e não é por nada, mas finalmente conseguimos nossa primeira aparição do “peladão azul” graças ao clone do Sr. Philips atuando como o Doutor Manhattan na peaça teatral.

Para o espectador casual que está apenas flutuando no universo de Watchmen, esse é outro exemplo de como o programa pode ser interpretado sobre um mundo liberal distópico que fica louco. Os pobres brancos no parque de trailers de Nixonville estão sendo perseguidos pela força policial. Vale sempre ressaltar que Watchmen é uma espécie de exercício prolongado de confiança entre criador e público. A plateia deve confiar que Watchmen sabe o que está fazendo e o criador deve confiar que a plateia também sabe o que está fazendo, pois em geral, o sentido da vida vai arrumando as coisas. O público precisa ser experiente o suficiente para saber que Watchmen certamente não está argumentando que os nixonitas são heróis. Não está discutindo muito no momento, na verdade o show está apenas preenchendo os detalhes deste mundo infinitamente fascinante e significativamente diferente.

Obviamente Watchmen vai continuar montando esse mundo fascinante e a viagem de Angela ao Centro Cultural de Greenwood é uma das partes mais legais que o programa já fez. A existência do centro junto com os manifestantes brancos revoltados do lado de fora revela mais uma vez que algo está seriamente errado neste mundo estranho. Os Estados Unidos aparentemente reconheceram seu passado racista aterrorizante. Reparações estão sendo feitas. Hollywood está no comando. Então, por que todo mundo ainda está tão chateado? Talvez estejamos apenas ligados à miséria. Ou talvez a podridão no centro da sociedade americana seja mais profunda do que se imaginava.

No momento, o show é uma boa experiência de assistir na TV, aqui temos uma série tão emocionante e enriquecedora que poderá se tornar mais um clássico da HBO se ela continuar trilhando este caminho certo. 


Leia a crítica do primeiro episódio:

WATCHMEN | Primeiras impressões da nova série da HBO – Episódio #01 (Pilot): It’s Summer and We’re Running Out of Ice (Crítica)


Confira a promo do episódio 03, intitulado “She Was Killed by Space Junk”:

 

Comente!

Watchmen - 1ª Temporada

8.5

Nota para o episódio:

8.5/10

Prós

  • Elenco
  • História
  • Personagens
  • Prólogo
  • Produção

Contras

  • Lentidão na História
  • Enredo Confuso
Comments

Críticas e Reviews

EM CARTAZ!

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: