Connect with us
WATCHMEN | O legado não está na terra, mas no sangue – Episódio #04: If You Don't Like My Story, Write Your Own (Crítica) - Protocolo XP

Crítica

WATCHMEN | O legado não está na terra, mas no sangue – Episódio #04: If You Don’t Like My Story, Write Your Own (Crítica)

Published

on

“O legado não está na terra, mas no sangue”, diz a trilionária Lady Trieu a um casal de agricultores na cena de abertura tipicamente enigmática do episódio 4 de Watchmen. Seguindo os seus costumes, aqui Damon Lindelof faz mais um ótimo prólogo colocando poder, cobiça e interesses humanos como forte testemunho do ser humano.

Trieu deixou sua enorme casa de esculturas do Relógio do Milênio, nos arredores de Tulsa, para oferecer ao Sr. e à Sra. Clark uma proposta muito decente. Ela quer a casa deles e os 40 acres que pertencem ao casal e em troca ela lhes oferece legado.

“Vocês dois não têm filhos. Então, quando vocês morrerem, seu legado morrerá com você.”

Lady Trieu fez trilhões na indústria de biotecnologia e farmácia e para ela o legado é realmente importante. A ideia de nosso nome e genes que nos sobrevivem é poderosa o suficiente para que a ideia de família tenha dominado alguns dos dramas mais importantes da HBO ao longo dos anos. 

Lady Trieu (Hong Chau) fazendo a proposta aos Clark’s – Watchmen / HBO & DC Entertainment

O material original de Watchmen também estava bastante preocupado com o legado. A história em quadrinhos de Alan Moore e Dave Gibbons foi um caso multigeracional que abrangeu várias décadas. Os heróis tiraram as máscaras e as capas e as passaram para os filhos. Assim, quando o corpo falha, o trabalho continua.

Agora, neste futuro da famosa graphic novel, o episódio 4 declara em voz alta que o programa também entende a ansiedade entre gerações. Não apenas isso, mas ele está disposto a fazer de tudo uma parte essencial de sua história. “If You Don’t Like My Story, Write Your Own” não tem a pura alegria do terceiro episódio clássico e instantâneo da série, mas é outro passo brilhantemente divertido e articulado na jornada da série em direção ao significado.

A primeira cena com Lady Trieu (que é interpretada pela maravilhosa Hong Chau) prova ser uma preparadora de mesas adequada, fazendo com que ela se preocupe com o legado e o que ele herda de nossos ancestrais.

Imediatamente após Trieu fazer sua oferta, Angela Abar percebe que não pode esperar mais um minuto para aprender sobre seus próprios ancestrais e invade o Centro Cultural de Greenwood. Ela é atendida mais uma vez pela interface robótica do Secretário do Tesouro, Henry Louis Gates Jr. que acaba apresentando sua árvore genealógica. A voz automática pergunta se Angela, vestida com a roupa da vigilante Sister Night, gostaria de conhecer seus bisavós e ela responde calmamente que sim. 

Um holograma da mãe e do pai de Will, Opie Williams e Ruth Robinson aparece. O computador não consegue encontrar uma foto de Will adulto, mas consegue encontrar uma foto de toda a família Williams-Robinson, feliz e completa, posando o que parece ser minutos antes de tudo desmoronar na fatídica tragédia de Tulsa. A cena é bem filmada, até a interposição do rosto de Angela no holograma de seu jovem avô. Essas duas primeiras cenas têm a importância do trauma herdado e intergeracional. 

Sister Night (Regina King) descobrindo sua árvore genealógica – Watchmen / HBO & DC Entertainment

A ideia de trauma geracional, de que a dor de nossos antepassados ​​possa ser codificada em nosso próprio DNA, é um conceito psicológico que está surgindo cada vez mais em nossa cultura pop ultimamente. Watchmen se encontra em posição de explorar uma marca racial única e tragicamente americana de trauma geracional. Até agora, está fazendo o melhor possível, e “If You Don’t Like My Story, Write Your Own” usa isso com grande vantagem.

Watchmen não é apenas sobre o passado. Uma vez que o tema do legado esteja intacto, o episódio parece quase encorajado a abraçar seu eu estranho mais uma vez. É um erro dizer que logo após Angela ir para o Centro Cultural, ela visita Wade Tillman para perguntar sobre as pílulas que seu avô deixou para trás e descarta logo em seguida uma cadeira de rodas, fazendo com que neste momento ela acaba se deparando com o maior vigilante mascarado já conhecido pelo homem: Lube Man.

Lube Man pode não ser o seu nome verdadeiro, mas o apelido que Red Scare lhe dá é apropriado o suficiente. Vestido com um uniforme prateado, Lube Man leva Angela em uma perseguição pela parte industrial de Tulsa antes de se lubrificar e apenas se esguichar em um ralo próximo.

Após a exploração do legado e a digressão do Lube Man, o show volta a avançar na trama, especialmente no caso de Adrian Veidt, onde temos aqui alguns indícios de que Veidt está realmente trancado em algum lugar e tudo isso parece ser praticamente confirmado neste episódio. 

“Quatro anos desde que fui enviado para cá. No começo eu pensava que era um paraíso. Mas isso não. É uma prisão”.

Temos também revelado sobre como os clones de Philips e Crookshanks são criados. Veidt simplesmente pesca alguns bebês fora do lago em armadilhas de caranguejo. Destaque mais uma vez pela performance esplêndida de Jeremy Irons inspecionando bebês pequenos e alguns imperfeitos, logo em seguida de forma incrédula e natural ele acaba jogando os bebês indesejáveis ​​no lago, aqui temos uma cena completamente perturbadora e ao mesmo tempo hilária. 

Depois da pesca, os bebês Crookshanks e Philips são colocados em algum tipo de câmara que envelhece e Veidt acaba treinando-os em tempo real. Os novos Philips e Crookshanks então ajudam Veidt a carregar todos os cadáveres das iterações anteriores para lançar na atmosfera com algo que lembra uma catapulta. Veidt fica feliz em ver os cadáveres desaparecerem quando passam por algum tipo de barreira nas nuvens. Veidt está definitivamente preso contra sua vontade e dadas as suas dificuldades, parece que ele está sentindo um renovado senso de urgência em sair. Desde que Veidt desapareceu em 2012 e todos os episódios aparentemente cobriram um ano, estamos vendo o episódio 7 como o melhor candidato para a emancipação dele.

Adrian Veidt (Jeremy Irons) olhando para o céu – Watchmen / HBO & DC Entertainment

E mesmo estando preso, a presença de Veidt ainda é sentida no mundo real. A investigação de Laurie sobre quem largou o carro de Angela do céu leva ela e Angela diretamente a Lady Trieu, que comprou toda a empresa de Veidt. Depois que Angela e Trieu compartilham uma interação secreta sobre Will em vietnamita, Laurie espia uma estátua de Veidt com a sua aparência atual e Trieu responde que na cultura dela os idosos são reverenciados (será que ela será uma espécie de Ozymandias na série?)

É por isso que é particularmente fascinante o fato de tantos dos principais personagens aqui serem bem velhos. Laurie Blake é uma heroína de ação sexagenária que também expressa algum choque das impressões que encontrou na cena do crime de um ex-policial da cidade de Nova York dos anos 40, Will Reeves, no qual ela acaba supondo que atualmente ele deve ter 100 anos. À medida que o processo de envelhecimento avança, o envelhecimento do ser humano pode considerar mais de perto os conceitos que desafiam a morte, como legado, herança e família. E assim, no final, “If You Don’t Like My Story, Write Your Own” volta ao legado mais uma vez.

No fechamento, vemos a filha de Lady Trieu acordando a noite de um pesadelo que parece ter detalhes diretamente de algum trauma geracional no Vietnã. Depois de mandar sua filha de volta para a cama, Trieu repreende Will (que esteve no Relógio do Milênio esse tempo todo, ao que parece) por deixar algumas pílulas aos cuidados de Angela. Will rebate que tudo aquilo faz parte de uma estratégia e que ele está bem, tendo neste instante um momento revelador ao vermos Will se levantando da cadeira pela primeira vez na série (a cena é rápida, mas mostra toda a experiência e domínio de cena do veterano e ganhador do Oscar, Louis Gossett Jr.).

Lady Trieu (Hong Chau) e Will Reeves (Louis Gossett Jr.) olhando para o céu – Watchmen / HBO & DC Entertainment

Watchmen ainda está segurando as coisas e obviamente que Trieu e Will estão planejando algo grande que acontecerá nos próximos capítulos. Ainda não sabemos os detalhes de sua trama e, no final das contas, isso não é importante.

Porque o que entendemos é a motivação deles, ou pelo menos parte dela. Legado. Algo deve continuar depois que eles se forem. Como diz Trieu,o legado não está na terra, mas no sangue”. O final do episódio 4 também traz uma noção inquietante: e se o legado não for o sangue que você passa, mas o sangue que você derrama? Fica aí uma questão para todos pensarem.


Leia a crítica dos episódios anteriores da primeira temporada:

WATCHMEN | Primeiras impressões da nova série da HBO – Episódio #01 (Pilot): It’s Summer and We’re Running Out of Ice (Crítica)

WATCHMEN | Caçada pela verdade em meio a uma vasta e insidiosa conspiração – Episódio #02: Martial Feats of Comanche Horsemanship (Crítica)

WATCHMEN | Eu tenho uma piada. Me interrompa se você já ouviu essa…– Episódio #03: She Was Killed by Space Junk (Crítica)


Confira a promo do episódio 05, intitulado “Little Fear of Lightning”: 

Comente!

Watchmen - 1ª Temporada

9.5

Nota para o episódio:

9.5/10

Prós

  • Elenco
  • História
  • Personagens
  • Prólogo
  • Produção

Contras

  • Lentidão na História
Comments

Críticas e Reviews

EM CARTAZ!

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: