Connect with us
WESTWORLD | É assim que o mundo termina, não com um estrondo, mas com um gemido - Episodio 08: Crisis Theory – Season Finale (Crítica da 3º Temporada) - Protocolo XP

Crítica

WESTWORLD | É assim que o mundo termina, não com um estrondo, mas com um gemido – Episodio 08: Crisis Theory – Season Finale (Crítica da 3º Temporada)

Published

on

No final do episódio “Passed Pawn”, Dolores (Evan Rachel Wood) confiou a Caleb (Aaron Paul) a tarefa de ver seu plano de ser concluído. Ela lhe disse que não era mais importante, que ele era a figura central, a pessoa por trás da qual as turbas se formariam para abalar a fundação do mundo e desde que ela divulgou os perfis de personalidade de todos da Incite, a divergência em relação ao grande plano de Serac se espalhou ainda mais. Dolores, a artista, nunca viu a feiura do mundo à sua volta, apenas a beleza. Há uma certa beleza no caos, como a loucura colorida dentro de um caleidoscópio que só pode ser vista em um nível macro. Dolores pode ver o mundo como ele é, e ela está disposta a acabar com ele por qualquer meio necessário para oferecer à humanidade a chance de construir algo novo, algo diferente, algo baseado na beleza e não na miséria. Mas para construir este novo mundo, primeiro o antigo deve ser destruído.

Em “The Crisis Theory”, Jennifer Getzinger usa o caos como ator extra no programa. Caleb dirige a motocicleta de Dolores até um posto de controle da polícia e depois passa por ela, enquanto os únicos policiais em cena estão lidando com pessoas furiosas. William (Ed Harris) se liberta da custódia de Bernard (Jeffrey Wright) e Ash (Luke Hemsworth) ao atingi-lo com uma espingarda, apenas para parar em um saguão da Delos muito bem guardado, bebendo um uísque de 20 mil dólares enquanto pessoas do lado de fora se revoltam nas ruas, apenas uma única camada de capangas impedindo-os de quebrar as janelas. Caleb e uma Dolores reparada andam pelas ruas passando por carros bombardeados, enquanto Serac usa o caos em seu proveito para tentar pegar Dolores e Caleb antes que eles possam chegar à sede da Incite, Caleb usa o mesmo caos para tentar chegar na sede da Incite e Dolores domina as marionetes de uma máfia comprada e paga elas para distraírem os policiais no meio da multidão que acaba se tornando para eles uma arma potente.

Evan Rachel Wood e Aaron Paul em cena da série Westworld / HBO

A HBO parece estar sempre disposta em gastar muito para fazer as cenas com multidão parecerem boas. As sequências de tumultos neste episódio, particularmente o tumulto climático em que Caleb tem que romper uma linha policial para ter acesso a um dirigível policial, funcionam de uma forma bonita e estranha ao mesmo tempo. Giggles (Marshawn Lynch) está no que ele descreve como controle de multidões, o que significa que ele está encarregado de mover a multidão para um lugar especifico (sede da Incite) e nenhuma barreira policial impedirá esse número enorme de pessoas, eles simplesmente atravessam a barreira e quebram a linha de proteção, encorajando os outros a avançarem enquanto outros homens estão encarregados de dispositivos incendiários usados para empurrar a polícia para trás e impedir qualquer resistência organizada dos policiais. É estranhamente hipnótico, assistir as multidões se moverem e se unirem, trabalhando em grupo simplesmente seguindo um cara enorme em uma camiseta divertida.

Dolores tem um grande destaque no meio do episódio. Foi preciso dinheiro para construir este mundo e será preciso dinheiro para destruí-lo. Com o clique de um botão em um aplicativo e a transferência de fundos, Dolores pode comprar segurança e uma série valiosa de distrações, enquanto Maeve (Thandie Newton) não conseguiu comprar agressores que a persegue fazendo que o resultado de tudo isso seja bem caro, mesmo que os capangas de Serac (Vincent Cassel) não funcionem de forma barata e embora a economia dos anfitriões nunca seja revelada, tem que ser caro construir alguns deles são o apoio de Maeve e até mesmo as probabilidades contra a própria coleção de hosts de Dolores. Quanto menos se disser sobre o custo de construção do Rehoboam, tanto em termos de capital financeiro e informação humana, melhor. É preciso dinheiro para ganhar dinheiro e é preciso dinheiro para governar o mundo, mas o dinheiro só vai tão longe se as pessoas puderem ser compradas, mas somente se optarem por ser compradas.

Vincent Cassel em cena da série Westworld / HBO

A escolha continua sendo um dos temas da terceira temporada de Westworld, e o roteiro de Jonathan Nolan se baseia fortemente nas escolhas que as pessoas fazem para determinar o curso dos eventos. A importância de Caleb para o enredo tem pouco a ver com sua habilidade como soldado, embora ele seja mais perigoso do que parece, de acordo com Maeve. Caleb é importante porque ele faz escolhas e o destino final do mundo repousa sobre seus ombros, pois ele escolhe exatamente como realizar o plano mestre de Dolores nos momentos finais do episódio. Dolores escolhe trazer Bernard de volta da ilha e dar-lhe um papel em seu plano, apesar fazendo o personagem seguir um caminho apático e sem identidade nos propósitos que a personagem acabou seguindo.

Todos os personagens têm opções a cada passo do caminho e Dolores pode ter começado o fim do mundo, mas é apenas o fim do mundo se as pessoas escolherem acabar com o mundo. Em um desses momentos lindos Dolores está amarrada ao Rehoboam e os técnicos da Incite estão excluindo sistematicamente suas memórias em busca da chave. Eles acessam um cluster e o removem até ficarem com suas memórias mais antigas e próximas. Não são os assaltos ou os assassinatos, não é andar a cavalo e matar os visitantes do parque. Ela se lembra de beijar Teddy, o sorriso do jovem William e Maeve e sua filha em pé perto de um lago pulando pedras. Maeve se apega às lembranças felizes de sua filha, apesar de não serem reais, porque têm um significado para ela. Dolores se apega mais à beleza que ela lembra de Westworld e da humanidade.

Jeffrey Wright em cena da série Westworld / HBO

Bernard, em outro belo momento, tem uma última conversa com sua agora idosa esposa Lauren, sobre o filho deles, Charlie. Bernard confessa que não pode deixar o garoto ir, que ouve sua risada e se lembra dele no momento mais estranho. Lauren o consola lindamente, dizendo que a única coisa que a manteve em movimento foi sua escolha para manter viva a memória dele e que se você ama alguém, deixá-la ir é a última coisa que você quer fazer, pois mantendo as memórias próximas, você os mantém vivos até que a escuridão leve vocês dois a se reencontrem no Vale do Além. 

É um dos momentos mais comoventes do programa e Jeffrey Wright esmaga absolutamente o momento dramático com uma performance linda e sutil. O mesmo vale para Evan Rachel Wood que continua impressionando tanto nas sequências de luta com a sempre hábil Thandie Newton que arrasa também em momentos dramáticos, particularmente suas lembranças pacíficas e a angústia que ela exibe enquanto é lentamente confrontada pelo Rehoboam são incríveis. Vincent Cassel e Ed Harris realizam um trabalho capaz em seus segmentos, com Cassel deixando o final de Serac irritado e patético ao mesmo tempo, e Harris novamente se sentindo à vontade jogando contra si mesmo em uma sequência pós-créditos de cair o queixo. A trilha de Ramin Djawadi é parte integrante do impacto das palavras e das performances em toda série, por mais que seja um elemento subestimado, sua sonoridade é bastante crucial e merece crédito ao permanecer com um mix de sensações nos créditos finais.

Aaron Paul e Thandie Newton em cena da série Westworld / HBO

Westworld é um show que se deleita em violência e caos, mas a memória mais forte que resta não é venal, mas emocional. Dolores se apegou à beleza até seus últimos momentos e essa beleza pode ser a centelha que cria um mundo mais equitativo para as pessoas dentro dela, se assim o desejarem. Delícias violentas e fins violentos, mas a impressão mais forte é a beleza. Alegrias e tristezas fazendo o que elas precisam fazer, como Maeve escolhendo ficar ao lado de Caleb, olhando para um mundo que, talvez pela primeira vez, seja livre para escolher beleza e bondade em vez de feiura utilitária e Bernard chorando em frente de uma mulher que particularmente ele nunca viu na vida.

Os humanos não são conhecidos por fazer as melhores escolhas, mas o fato de que a escolha existe é o suficiente para que talvez mantenhamos o mundo nosso ou talvez nos matemos e deixemos para trás apenas prédios e seus hospedeiros em ruínas. Não o importa a escolha final, o que vale é que será uma decisão da humanidade, não um caminho fornecido por um computador e um francês traumatizado, o que gera no meio do caos uma grande beleza.


Confira as críticas de todos os episódios da 3º temporada:

WESTWORLD | Admirável mundo novo – Episódio 01: Parce Domine (Crítica da 3º Temporada)

WESTWORLD | Quebrando regras – Episódio 02: The Winter Line (Crítica da 3º Temporada)

WESTWORLD | Articulando as peças no tabuleiro – Episódio 03: The Absence of Field (Crítica da 3º Temporada)

WESTWORLD | Somos todos Dolores -Episodio 04: The Mother of Exiles (Crítica da 3º Temporada)

WESTWORLD | A briga pelo futuro – Episodio 05: Genre (Crítica da 3º Temporada)

WESTWORLD | Liberte sua mente – Episodio 06: Decoherence (Crítica da 3º Temporada)

WESTWORLD | A revelação por uma sensibilidade poética – Episodio 07: Passed Pawn (Crítica da 3º Temporada)

Comente!

Westworld (3ª Temporada)

10

Nota para o episódio:

10.0/10

Prós

  • História
  • Elenco
  • Easter-eggs
  • Enredo
  • Atuações
Comments

Críticas e Reviews

Agregalinks - O melhor agregador de links para blogs EuTeSalvo - Salvando os melhores blogs! Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui! Agregador de conteúdo TrendsTops Uêba - Os Melhores Links

Em Destaque

%d blogueiros gostam disto: