Review

CHILDREN OF MORTA | Mais que um RPG, uma história sobre família (Review)

Children of Morta é um RPG de ação indie, desenvolvido pela Dead Mage e distribuído pela 11 bit studios. Lançado em setembro de 2019 para PC e MacOS e com lançamento previsto para outubro de 2019 nos consoles Playstation 4, Xbox One e Switch.

O game pode ser jogado no modo single player ou cooperativo local com até 2 jogadores. E é uma experiência divertida, focada na história, com um bom balanço entre dificuldade e desafio, e que acerta no ponto no fator replay com cenários gerados aleatoriamente a cada partida.

Na história somos apresentados à família Bergson, protetores a gerações da terra de Rea. Quando um dia um mal chamado corrupção, começa a se espalhar por todos os lugares os Bergsons precisam então se unir e assumir mais uma vez seu papel de guardiões, para descobrir o que está acontecendo e combater o problema. Nisso somos apresentados aos membros da família, todos com suas próprias personalidades e habilidades, fazendo com que até os membros não jogáveis tenham sua importância ao longo dessa jornada, seja melhorando nosso equipamento ou pesquisando como usar poderes antigos e esquecidos.

(Imagem: Children of Morta – Dead Mage/11 bit studios)

A parte gráfica de Children of Morta é um espetáculo a parte, com belos e vibrantes gráficos em pixel art, e apesar das limitações deste estilo gráfico retrô, os personagens ainda são expressivos e carismáticos. No quesito de cenários o jogo consegue de forma competente criar cenários únicos e interessantes para seus 3 mapas principais, e é ainda mais competente em criar distinções entre cenários do mesmo mapa, como por exemplo a cidade de Barahut, onde temos um cenário urbano da cidade e as ruínas tomadas pela floresta da velha cidade, ambos distintos e mesmo assim dividindo espaço no mesmo mapa.

Quanto ao som, o jogo conta com uma trilha sonora orquestrada, que ajuda a criar um clima épico, e dar importância ao que está acontecendo na tela, de forma muito competente. A história do game nos é contada por um narrador, como se estivesse lendo um livro, e esse narrador é a única voz no jogo, sendo assim fácil de avaliar, e nesse quesito podemos dizer que a voz é bem escolhida e a atuação é muito boa. Quanto aos sons do jogo, são todos dentro da média e cumprem o seu papel.

(Imagem: Children of Morta – Dead Mage/11 bit studios)

A jogabilidade de Children of Morta segue o padrão para jogos do gênero, então se você já jogou um RPG de ação não terá surpresas. No game você tem um ataque primário e 2 dois ataques especiais, além de poder contar com poderes especiais encontrados nos cenários. Cada membro da família Bergson tem seus próprios ataques em algo parecido com as classes de personagens em outros RPGs, então espere mecânicas diferentes em cada personagem, como por exemplo, Linda que usa um arco que permite realizar ataques a distância enquanto Kelvin conta com adagas com foco no combate corpo a corpo.

(Imagem: Children of Morta – Dead Mage/11 bit studios)

Se você curte RPGs, games com a história voltada ao desenvolvimento dos personagens ou games com o estilo retrô das pixel arts, então Children of Morta é um prato cheio para você. Esse é o tipo de game que com certeza vale a pena ser jogado e revisitado de vez enquanto. E como já dito antes, os cenários criados aleatoriamente irão fazer com que nenhum jogo seja igual ao outro aumentando ainda mais o efeito replay do game.

Nota: 4 / 5


Review produzida com cópia do jogo gentilmente fornecida pela Nuuvem. Para adquirir Children of Mortabasta clicar aqui.


Gostou da matéria? Então dá aquela força, comenta e compartilha com seus amigos, curta, siga e fique ligado no Protocolo XP nas redes sociais.

Protocolo XP no Facebook

Protocolo XP no Twitter

Protocolo XP no Instagram

Nelson Reverso

Nerd raiz, da época que o termo era xingamento. Amante do cinema especialmente o trash, games e cultura POP. Trekkie, maluco por ficção cientifica. E totalmente politicamente incorreto.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
%d blogueiros gostam disto: