IgorReview

ONE PUNCH MAN: A HERO NOBODY KNOWS | Bandai não inova e emula sucessos do passado (Review)

One Punch Man é um dos melhores animes lançados nos últimos anos, principalmente porque é voltado para aqueles que estavam fartos da grande quantidade de clichês presentes nos animes shonen. Ele narra a vida de Saitama, um cara tão poderoso que pode matar qualquer um com um soco. Isso significa que não há absolutamente nenhum desafio em sua vida, o que leva a constante tédio e apatia. Há também toneladas de personagens secundários ridículos e uma associação de heróis em segundo plano, apresentada aqui principalmente para tirar sarro dos ditos tropos burocráticos no anime. Eles tendem a levar meio episódio para descrever sua origem, ranking de associação ou poder, apenas para Saitama aparecer sem se importar com nada e derrotar o inimigo, causando-lhes problemas.

De alguma forma, a Bandai Namco e a Spike Chunsoft, decidiram fazer um jogo com isso e as impressões iniciais foram medianas, pois One Punch Man: A Hero Nobody Knows é um daqueles jogos sem um menu principal. No momento em que apertei start, fui direto ao criador de personagens, onde eu deveria criar meu próprio herói e começar a subir a escada pelas fileiras da Associação dos Heróis. O criador do personagem tinha apenas meia dúzia de opções de rostos, penteados e roupas. Nenhum deles lembrava o ridículo herói do universo de One Punch Man, então as coisas não tiveram um bom começo. Além disso, por que eu estava criando um novo herói? Por que eu não estava jogando com o Saitama ou Genos? Por que eu estava sendo forçado a fazer essencialmente o que o jogo tirasse sarro, mas sem a sátira?

Foto de divulgação: One Punch Man: A Hero Nobody Knows / Bandai Namco e Spike Chunsoft

Depois de algumas sessões de tutoriais chatas que me apresentaram o combate realmente esmagador do jogo, eu finalmente pude andar pelo mundo aberto de One Punch Man: A Hero Nobody Knows e perceber que confusão era essa. Isso realmente tenta imitar Dragon Ball Xenoverse de todas as formas, mas sem sucesso.

Todas as opções de jogo, sejam as principais missões, missões secundárias, lojas ou até o único modo de batalha que realmente permite que você jogue como os heróis do One Punch Man estão espalhadas pelo mapa. Você tem que ir dolorosamente de um lugar para outro, a fim de obter missões ou até comprar uma camisa nova, enquanto suporta a terrível taxa de quadros do mundo superior. O jogo em si não é tão bonito, mas sua taxa de quadros desbloqueada ainda consegue cair muito quando você está em uma área um pouco mais detalhada. Pop-ins de personagens também são frequentes.

O principal loop de jogabilidade no modo história é criar seu herói, participar de missões dadas a você pelos cidadãos e pela Associação dos Heróis, aumentar suas estatísticas, aumentar sua classificação na Associação, mergulhar em uma quantidade impressionante de menus e submenus relacionados para personalizar suas habilidades, no meio disso tudo sobra também espaço para você fazer amizade com heróis menores do programa e seguir vagamente o enredo do anime. Você sabe, aqueles que foram intencionalmente feitos para você não se incomodar, porque Saitama acabará aparecendo para salvar o dia com um soco. O fato de você estar basicamente jogando como um jovem herói em formação faz com que este jogo pareça mais um jogo cômico de My Hero Academia do que um jogo de One Punch Man às vezes.

Foto de divulgação: One Punch Man: A Hero Nobody Knows / Bandai Namco e Spike Chunsoft

Se há algo que poderia ter salvo de sua mesmice teria sido o combate. Infelizmente, esse não é o caso. Este é um jogo de luta em 3D padrão no qual você pode criar equipes compostas por até três heróis para combater seu inimigo em uma arena fechada. Você tem um botão de ataque leve, um ataque forte, alguns movimentos especiais, agarrar, bloquear, esquivar, e até uma criança de 5 anos irá aprender rapidamente o que deverá fazer. 

Este sistema de combate não é apenas muito original, mas também não responde e é impreciso. Há um pequeno atraso de entrada sempre que você pressiona um botão. Com a exceção de quando você faz um movimento especial, tudo parece lento e pouco potente. Como o jogo é basicamente uma experiência para um jogador, a Spike Chunsoft optou por uma aventura single-player do jogo que frustra com os níveis de dificuldade desiguais das missões secundárias, fora ainda que o jogo para de desbloquear novos estilos de combate depois de distribuí-los pelas primeiras duas horas, o que não ajuda muito no ritmo do jogo, nem em seus picos inesperados de dificuldade.

As coisas ficam muito mais interessantes quando você luta contra outros jogadores online. One Punch Man usa um sistema baseado em equipe no qual cada jogador escolhe três lutadores que você pode trocar a qualquer momento. Você pode escolher qualquer um dos personagens que desbloquear durante a campanha (novamente, forçando-o a reproduzir o conteúdo para um jogador), e isso inclui Saitama.

Foto de divulgação: One Punch Man: A Hero Nobody Knows / Bandai Namco e Spike Chunsoft

Se você colocar Saitama em seu time, não terá acesso a ele nos primeiros cinco minutos da partida, o que significa que se seus outros dois personagens forem nocauteados antes da chegada de Saitama, você perderá. No entanto, se você puder durar tanto tempo, Saitama chega e você pode derrotar o time do seu inimigo sem sofrer danos, mas se houver dois Saitamas, eles lutam entre si normalmente.

No final, One Punch Man: A Hero Nobody Knows é apenas outro (aparentemente) jogo de anime de baixo orçamento com uma mecânica que emula outros sucessos já conhecidos da Bandai Namco, uma pena que a Spike Chunsoft fez um trabalho tão preguiçoso e simples, pois o game tem momentos interessantes que acabam se perdendo na sua forma pateta de tirar sarro dos heróis ocidentais, acredito que faltou muitas coisas para o desenvolvimento do jogo ter um produto final bem mais satisfatório.


Trailer gameplay:


One Punch Man: A Hero Nobody Knows

5.5

Nota para o jogo:

5.5/10

Prós

  • Elenco do anime reprisando seus respectivos papéis na dublagem do jogo, tanto em inglês e japonês
  • Lutas 3v3 dinâmicas, com os acontecimentos vistos no anime e mangá, como meteoros e outros heróis
  • Criação do seu próprio avatar de herói e escolha de seus poderes e habilidades!

Contras

  • Tutorial lento e desagradável
  • Combate monótono
  • Jogo de luta em 3D simples
  • O game emula antigos sucessos da Bandai
  • Modo história e mapas simples

Igor Ops

Professor de Biologia e Educação Física Escolar, amante de praticamente tudo do mundo nerd e lunático pela 7º Arte. Gosta da Marvel mas não tem vergonha de revelar para todos o seu amor platônico pela DC Comics e odeia a briga boba entre marvetes e dcnautas.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo